Início Destaque Um mergulho no olhar da Cigana

Um mergulho no olhar da Cigana

Continua depois da publicidade

Izaura Cardoso de O. da Costa relembra como iniciou sua carreira no esoterismo e faz previsões para 2016

Por Nicole Cavallin
[email protected]

A vidência, a leitura de mãos ou cartas, passes e benzeduras são manifestações que podem ser chamadas de dom, de intuição, de mediunidade, de pressentimento ou mesmo de sexto sentido. São várias as nomenclaturas para o chamado da alma. Aquela vocação que a pessoa traz consigo desde o nascimento e que aos poucos é descoberta.

Através do esoterismo Izaura Cardoso de O. da Costa percebeu muito cedo que sua missão no mundo era utilizar seu dom como guia e com ele auxiliar as pessoas que ainda não haviam encontrado seu caminho.

Sempre se sentiu especial, mas também diferente. Na adolescência, quando ainda morava em Canoas, teve inúmeras sinalizações sobre sua missão. Uma delas foi decisiva em sua vida e aconteceu quando Izaura tinha por volta de 14, 15 anos de idade e estava em uma festa de aniversário.

Na vontade de sentir o perfume da natureza, ela entrou na mata que havia ali perto e se deparou com um pequeno clarão, onde viu uma menina de vestido longo. “Meu nome é Izaura”, disse a garotinha. Naquele momento a jovem teve um grande insight e assim pôde entender porque era diferente. Pois sabia e podia ver coisas que as outras pessoas não viam e nem sabiam compreender.

“Eu me sinto acompanhada por energias fortes do bem. Sempre senti que minha missão era ajudar as pessoas. Me sentia estranha na minha casa. E hoje me sinto com muita responsabilidade por carregar este dom. É como uma pessoa que já leu mil livros”, explica ela.

Com 23 anos começou a tirar as cartas e atendeu o primeiro cliente. Dez anos depois sentiu que era com o esoterismo que seu coração vibrava. A partir disso, a cartomancia passou a ser sua profissão. “Falei com meu mentor: “Vou parar com a faculdade, mas não me deixem faltar nada.” Parei e não me arrependi. No início foi muito difícil porque minha família sempre foi muito conservadora. Fui criada em um colégio de freiras”, relembra.

Para seguir a profissão que escolhera Izaura não precisou fazer nenhum curso ou estudo específico. As percepções sempre estiveram com ela. No entanto, sempre se interessou em adquirir conhecimento e fazer diversas leituras, como as dos livros de Shree Bhagwan Rajneesh, o Osho, e Sri Chinmoy, que foi guru da Organização das Nações Unidas (ONU). Aprendeu a fazer incensos e meditação transcendental, além das práticas de respiração. Depois também realizou parte do curso de Arquitetura e Urbanismo na Ulbra, em Canoas, aos 52 anos.

Em 2007, escreveu o livro “Queimando as cascas”, o qual traz versos de auto ajuda, que podem ser lidos de forma aleatória trazendo inspiração ao momento pelo qual a pessoa está passando.

A taurina, de 67 anos, viveu e trabalhou em Porto Alegre por 30 anos, onde viveu parte do auge de sua carreira. Foi então que intuiu que a Serra deveria ser seu lugar de morada. Izaura reside em Canela, junto com o esposo, há um ano e nove meses. Em sua casa ela também abriga a sala de atendimentos, os quais aconteciam esporadicamente aos 23 anos e hoje tem frequência quase que diária.

As previsões

Dar paz para quem a procura, assim como um norte ou uma alternativa de caminho é o propósito de Izaura. Para isso, utiliza o tarô como guia para suas previsões. “Sempre utilizei as cartas. Às vezes é necessário, às vezes não. Muitas vezes eu sinto ou simplesmente recebo as mensagens. Tanto faz se é de madrugada ou é de manhã. Eles sempre chegam até mim. Sou um grande veículo”, elucida.

A cigana explica que o que sente é uma intuição fortíssima e que tem o domínio sobre isso. Além disso, há toda uma preparação para realização dos atendimentos. Ela diz que não pode chegar do supermercado e ir correndo atender alguém, por exemplo. “É preciso uma concentração, uma aceitação desta posição. Também procuro beber água e usar roupas claras nestes momentos. Tem de haver uma preparação de paz, a qual meu corpo físico também esteja preparado. Uma meia luz e um incenso são bons. E o sons da natureza me acalmam. Também gosto de pedir que a pessoa escreva o que eu digo para que nada se perca”.

Após o atendimento, a cigana diz que é necessário fazer uma purificação. Uma filtragem em si mesma. Já a pessoa que for atendida, é importante que esteja aberta e sintonizada com o momento e se possível com uma roupa clara.

Espiritualidade e cartomancia

Umbandismo, catolicismo ou espiritismo? Ainda que muitos pensem que há uma relação entre religião e cartomancia, Izaura afirma que o trabalho desenvolvido por ela não tem ligação com nenhuma religião, mas, que ela identifica-se muito com o budismo. “Gosto muito de ervas, flores e perfumes. O que me sustenta? Encontro meu equilíbrio na vibração do pensamento positivo. Gosto muito da lei da atração. Eu posso. Qualquer pessoa pode. Tudo que procuras está em perfeição dentro de você. Basta despertar isso”, garante.

Dentro desta linha de reflexão, Izaura tem apenas um lema: humildade e persistência. Ela ainda lembra a todos algo em que acredita fortemente: “Escutem os mais velhos da família. Eles são os pilares que a sustentam”.

 


PREVISÕES PARA 2016

Em geral, as pessoas sentem muita curiosidade sobre o que o futuro reserva para elas. Até mesmo quem não acredita em previsões ou destino gosta de tentar a sorte usando alguma cor que atraia energias boas na virada do ano. Confira algumas das previsões feitas por Izaura para 2016, o ano regido pelo Sol.

Brasil

Muito a ser descoberto sobre roubos, desvios de dinheiro. Doenças em vários políticos. Dinheiro, nem todo repatriado.

Rio Grande do Sul

Organiza-se, apesar de não contar com Brasília.

Canela

Energia pura no ar. Amor em alta, acordos, progresso no urbanismo. O glamour dos acontecimentos particulares. Segurança ativa. Esporte: largos passos à destaques por equipe. Educação: Toque forte no equilíbrio, estudo, alimentação e lazer.

 

SIMPATIAS PARA O ANO NOVO

Deixar no sereno, na lua cheia, mergulhado em alfazema, o anel que mais usas; secar ao sol. Usa-se em uma hora de mais necessidade ou mesmo como um talismã.

À meia noite, dê 7 pulos para frente. Detalhe: de olhos fechados.

Cores

Anil, verde, dourado e todos tons de laranja.

 


Fotos: Nicole Cavallin e Francisco Rocha