Início 360 Graus 360 Graus por Francisco Rocha: Ritmo de final de ano; Orçamento da...

360 Graus por Francisco Rocha: Ritmo de final de ano; Orçamento da Prefeitura; Sobre taxas e impostos e Não pode mais tocar o sino na Várzea

Continua depois da publicidade

Ritmo de final de ano
A gente está em ritmo de final de ano, o que aqui na região significa pauleira pura. Muita correria mesmo. A coisa só calma, pra quem labuta aqui por Canela e Gramado, lá pela segunda semana de janeiro, o que é normal para uma região que tem no período de Natal e Ano-Novo a sua melhor temporada turística e todo mundo entra na roda.
Mesmo assim, esse é o momento de dizer a todos os nossos leitores, assinantes e parceiros comerciais que agradecemos muito a companhia ao longo de 2017.
Foi um ano duro, de resistência. Não temos a menor impressão de que ano que vem a coisa melhore muito, mas estamos aí, para fazer a roda girar.
Costumo dizer que é o pequeno e médio empresário que faz a roda da economia girar aqui no Brasil e deles que dependemos para continuar essa resistência.
Vamos seguir com fé, fé na nossa cidade, fé na nossa região, fé na nossa capacidade.
Quero, em nome da equipe da Folha de Canela, deixar um abraço muito carinhoso, desejar um bom período de festas a todos.
Que possamos nos encontrar em todas as semanas de 2018, aqui no impresso da Folha ou mesmo em nosso canal da internet.
Muito obrigado por acreditar em nosso trabalho. Muito obrigado por nos prestigiar com sua leitura. Um ótimo Natal, um Feliz Ano-Novo e que em 2018 possamos ser mais felizes e realizar muito mais! Pelo menos aqui, na 360 graus, até 2018!

Orçamento da Prefeitura I
Na visita que fez à redação da Folha, essa semana, o secretário Luciano Melo não escapou de responder algumas perguntas fora da pauta. Na verdade a Prefeitura sabe que o mês de janeiro será o termômetro do “gritedo” da comunidade em razão do aumento do IPTU.
Até agora, a gente viu projeções, mas não sabe na verdade quanto este aumento vai refletir em cada imóvel.
A dica, é prestar atenção no valor venal que estava no carnê de 2017 e no que estará no carnê de 2018.
A política financeira deste primeiro ano de Constantino tem dado certo. Prova disso é o décimo pago sem sustos nas datas certas, a folha em dia, algumas vezes antecipadas, assim como o pagamento antecipado das férias dos professores.
O previsto, ainda pela gestão Cleó Port, era fechar o ano de 2017 com um orçamento de R$ 127 milhões. Vai fechar em torno de R$ 140 milhões.
Essa diferença está no Refis, no aumento da arrecadação do ITBI e da Contribuição de Melhorias. Um pouco passa pelas verbas federais e estaduais buscadas para investimento na cidade.
Para 2018, a Prefeitura projeta um orçamento na casa de R$ 156 milhões, um aumento de 23%.

Orçamento da Prefeitura II
Dos R$ 156 milhões que a Prefeitura pretende arrecadar em 2018, R$ 73 milhões são de recursos próprios, como IPTU, ITBI, ISSQN e outras taxas. R$ 14 milhões devem ser de ICMS e cerca de R$ 70 milhões são referentes a repasses dos governos Estadual e Federal.
E se você ler a matéria que a gente publicou lá na página 08, vai ver que Canela recebe menos ICMS que Nova Petrópolis, Gramado e São Chico. Segundo o Luciano Melo, isso acontece por que o canelense não pede nota fiscal e privilegia a sonegação.
De qualquer forma, com vários municípios do Brasil fazendo água e com dificuldades para encerrar o ano, Canela, até o momento, vai bem nas suas finanças.

Ainda sobre taxas e impostos
Recebo uma reclamação de leitor, muito pertinente. Ele é proprietário de um terreno baldio, ou seja, sem casa em cima. Ele paga a taxa de coleta de lixo, mas não gera lixo. O único lixo que ele gera é o resíduo verde, mas esse não é recolhido pela Geral e se quiser dar uma destinação para este lixo, tem que pagar para terceiros.
Aí está um ajuste a ser feito pela Prefeitura.

Não pode mais tocar o sino na Várzea
Perguntei ao Pe. Varnei por quê o carrilhão da Catedral nunca funcionou com todos os sinos. Era uma curiosidade minha. Ele disse que o máximo de sinos que foram possíveis de ser tocados na torre da igreja foram seis. Hoje, apenas três são usados.
O sistema todo é muito complexo e pesado lá no carrilhão, mas ele me contou que na Várzea Grande em Gramado, um cidadão obteve uma decisão liminar na Justiça, proibindo a igreja de lá, que por sinal também é Nossa Senhora de Lourdes, de tocar o sino, em qualquer horário.
O mundo tá ficando cada vez mais chato, mesmo.