Início 360 Graus 360Graus por Francisco Rocha: Páscoa e Crimes que nos fazem Pensar

360Graus por Francisco Rocha: Páscoa e Crimes que nos fazem Pensar

Continua depois da publicidade

Páscoa I
Vamos lá. Canela e Gramado estão lindas e vamos para mais uma temporada de Páscoa.
Recentemente, o SindTur – Sindicato da Hotelaria, Restaurantes, Bares, Similares, Parques e Museus da Região das Hortênsias divulgou que espera uma ocupação entre 85% e 95% entre a quinta-feira e o domingo de Páscoa deste ano.
O trade turístico da região prevê uma circulação de 900 mil visitantes durante o período. Entre os motivos para a procura estão as programações especiais de Páscoa.
Nossa região precisa deste incremento.

Páscoa II
Se tem uma coisa que me deixa de saco cheio é essa mania de comparar Canela com Gramado. Tem gente que deveria, por escolha própria, não passar a divisa entre as duas cidades, deveria ficar do lado de lá. Nós canelenses sairíamos ganhando.
Para esclarecer, Canela não está atrasada, nossa programação começa mais tarde que Gramado, em compensação, termina depois.
Tem gente que não sabe ler mesmo.

Lâmpadas de Led
Tá ficando bem legal essa iluminação de Led que está sendo instalada na cidade. Aí que eu me refiro.
Se bem que tem um amigo meu que não gostou, ele diz que prefere Rolling Stones…

Meia boca
Só para retomar, cade o conserto do acesso ao São Luiz. Tá um nojo aquilo lá e demorado.
Mais uma: lá na Rua Ipê Amarelo, na Vila do Cedro, foi feito toda a parte de calçamento na rua no início da semana passada mas o pessoal deixou de fora algumas entradas de carro. Resultado, o pessoal tá deixando o carro na rua e a empresa não voltou para terminar.
Tem umas coisinhas que vou te contar. Né?

Sobre o Grenal
“O Grêmio perdeu, mas ganhou. O Inter ganhou, mas perdeu. Nem sempre quem ganha perde e quem perde ganha. Ao final as torcidas de ambos ganharam e perderam.”
Frase atribuída à Dilma Rousseff

Crimes que nos fazem pensar
Preciso fazer uma relação entre dois crimes que chocaram o Estado, um deles, participei ativamente da cobertura.
Lembram do caso Dóris Terra?
Aqui do lado, em São Chico.
Dóris foi morta por um motivo fútil, era jovem, bonita, bem-sucedida e tinha toda a vida pela frente.
Agora, em Caxias do Sul, o luto é pela pequena Naiara Soares Gomes, de apenas sete anos.
Nos dois casos a Polícia Civil fez o seu papel, identificando e prendendo um suspeito. Devo aqui dizer que ele ainda é acusado, pois somente após o julgamento ele pode definitivamente ser chamado de estuprador e assassino.
Nesta semana, conversava sobre esta tal presunção de inocência com o Delegado Vladimir, em uma entrevista que fiz em vídeo para o novo programa do Portal da Folha, o “Entre Aspas”.
O SUSPEITO de ter sequestrado, estuprado e matado a menininha de apenas sete anos, após preso, foi colocado em cela especial.
É interessante notar que ele é ACUSADO, mesmo tendo levado os policiais até o local onde o corpo de Naiara estava. Embaixo da casa do INVESTIGADO foram encontradas roupas de crianças em um saco plástico.
Além de tudo, o ACUSADO é SUSPEITO, ainda, de ter cometido outros crimes da mesma natureza.
Ele será julgado, possivelmente condenado, em processo que deve demorar, como todos os outros aqui no Brasil. Depois disso, quando for cumprir a pena, terá direito a progressão de regime e depois de alguns anos, quem sabe, poderá até mesmo estar solto, para ser reinserido à sociedade, como adoram alguns “humanistas” de plantão.
O custo de tudo isso, inclusive roupas e comida que o ACUSADO vai usar e consumir durante anos, é bancado por nós.
Crimes como estes, em que perdemos Dóris e Naiaras acontecem todo ano, os autores são assassinos confessos.

Direitos individuais
Naiara era uma menina comunicativa e alegre, segundo a família, mas já enfrentava uma dura vida. Morava com os tios em Caxias, pois com a mãe passava necessidades em Vacaria. Teve que estudar longe de casa, pois a escola mais perto não tinha vagas.
A família, que fazia de tudo por Naiara e seu irmão não tinha condições de pagar um transporte escolar e então a pequena ia para a escola a pé.
Foi neste trajeto, da casa para a escola, que ela foi sequestrada.
Antes de tudo isso, Naiara e seus irmãos chegaram a morar em uma casa de passagem, como a Casa Lar, aqui de Canela. Seu pai havia morrido e as crianças foram tiradas da mãe.
Foi quando a tia paterna ficou sabendo da situação e adotou Naiara e os seus dois irmãos.
Uma vizinha da família da menina conta que com uma bala era possível conquistar a criança, que era carente por ter vivido longe da família.
Faço esse pequeno relato para que quem estiver me lendo, neste momento, saiba que esta menina sim é uma vítima da sociedade.
Naiara teve muitos dos seus direitos tolhidos durante seus poucos sete anos de vida.

Leis brandas
Nossas leis são brandas, frouxas, favorecem à criminalidade, foram feitas para defender bandidos, sejam eles de colarinho branco ou não.
Enquanto escrevo essa coluna, não sei qual vai ser o resultado da votação do Supremo Tribunal Federal em relação ao Habeas Corpus do ex-presidente Lula, mas pode-se ver o maior órgão da Justiça Brasileira fazendo das tripas o coração para favorecer corruptos e agradecer diversas correntes políticas.
Antes que alguém venha com papinho de Lula pra lá, Lula pra cá, na minha opinião, Luiz Inácio é só mais um, não o único, dos 99,99% dos políticos sujos e nossas instituições estão mais interessadas em defender seus próprios interesses que o do povo.
Infelizmente, neste Brasil da piada pronta, salvo alguns casos, como nossas forças de segurança aqui do Sul, estamos por conta própria.
É revoltante ainda ter que ver pessoas defendendo partidos e políticos.

Relação entre os casos
Voltei ao caso Dóris Terra, fazendo relação à perda da pequena Naiara, para que tenhamos em mente que fatos como estes não podem cair no esquecimento. Devemos cobrar providências destes políticos.
Não podemos perder nossa capacidade de indignação.