Início Cidade Trabalho voluntário faz a diferença em Canela

Trabalho voluntário faz a diferença em Canela

Foto: Eduardo Idalino
Continua depois da publicidade

Projeto Esperança e Paz atua em pintura e roçada nas escolas

Em um mundo onde cada vez mais vale a regra do “cada um por si, Deus por todos”, pode parecer estranho, mas ainda existem sim aqueles que conseguem fazer a diferença por livre e espontânea vontade e sem esperar nada em troca. O trabalho voluntário, além de ter importância social, proporciona bem-estar e alegria a quem o realiza e traz inúmeros benefícios a quem recebe. Em Canela, o Projeto Esperança e Paz, que trabalha com pessoas que procuram por reabilitação da dependência química, vem colaborando voluntariamente na pintura e roçadas das escolas do município.
João Gil, vice-presidente do projeto, é quem coordena o grupo e explica que o trabalho iniciou com a colaboração na pintura da futura Escola Municipal de Educação Infantil Adriana Spall e nesta semana estão na roçada da Escola Municipal de Ensino Fundamental Ernesto Dornelles.
O Secretário de Educação, Esporte e Cultura, Gilberto Tegner comenta que as pessoas estão no projeto para buscar o rumo de sua própria vida. “Estamos iniciando uma parceria para quem está inserido no processo volte a estudar, o que deve acontecer no segundo semestre, com sua inserção no EJA do Sesi para conclusão do ensino fundamental e médio”.
Para finalizar, o secretário destaca que a intenção também é levar esse grupo para palestrar e contar aos alunos seus depoimentos de vida, com fatos reais, narrados por eles mesmos. “Aonde tem vida, tem esperança e essa reabilitação demostra que eles querem mudar e fazer a diferença na sociedade”.

Reabilitação
O Projeto Esperança e Paz completa neste ano três anos de atuação na reabilitação da dependência química. Localizado na Rua Presidente João Goulart, nº 721, no bairro Canelinha, durante todos esses anos já recebeu mais de 350 jovens e adultos que frequentaram a casa.
Os trabalhos funcionam integralmente, com estrutura, alimentação e apoio espiritual aos 21 internos. “Atuamos na parte espiritual, de laborterapia e edificação junto as famílias e esse trabalho voluntário vem de encontro aos nossos princípios que é de atuar junto a nossa comunidade”, pondera João Gil.