Início Região Emater diz que teremos safra maior de pinhão em 2018

Emater diz que teremos safra maior de pinhão em 2018

Continua depois da publicidade

A colheita e venda do pinhão no Estado começou oficialmente no dia 15 de abril e vai até o final do inverno, com a colheita das variedades mais tardias, como macaco e cajuva. A colheita, transporte e comercialização do pinhão no RS são regidas pelo Ibama, sendo o prazo estabelecido como forma de conservação e preservação da Araucária. Conforme a Emater, a safra atual na região da Serra deve ser, em média, 10% superior a de 2017, com oscilações na produção de um local para outro.
Em São Francisco de Paula, município com status de maior produtor de pinhão no Estado, a produção deverá ficar entre 160 a 190 toneladas. A safra atual na região apresenta boa qualidade, com a produção de pinhões com boa sanidade. Observa-se pinhas de bom tamanho, com o peso variando entre 2 a 3 Kg, em média, e as sementes de tamanho médio a grande, ressalta a engenheira florestal, Adelaide Kegler Ramos.
O extrativismo do pinhão, além de alimento característico da região, representa importante fonte de renda para muitas famílias, inclusive para um expressivo número de produtores é uma das principais fontes de renda da propriedade. O pinhão representa, nas regiões produtoras, opção gastronômica típica, seja para o consumo in natura ou na elaboração de paçoca, bolos, pudins e entrevero, entre outras receitas culinárias.
A colheita do pinhão é feita toda manualmente, através da coleta das sementes diretamente no solo, quando os pinhões caem naturalmente com a maturação das pinhas, ou pela derrubada das pinhas, utilizando-se como ferramenta a vara de bambu, ou ainda subindo nos galhos dos pinheiros com o auxílio de trepas/esporas.
O comércio é praticamente todo informal, feito diretamente pelos extrativistas em diferentes mercados locais: à beira da estrada, mercados, restaurantes, de casa em casa, entre outros. No entanto, a maior parte da produção ainda é comercializada através de intermediários, que levam o produto para os centros maiores, como nas Ceasa Porto Alegre e Caxias do Sul, e também para outros estados.
Os preços médios praticados na venda do pinhão na região variam de R$ 3,50 a R$ 5,00/Kg, em nível de extrativista/produtor, e entre R$ 5,80 a R$ 9,00/ Kg, em supermercados e fruteiras. O preço mínimo básico fixado para a safra é de R$ 3,16/Kg para o pinhão extrativista.
O processamento do pinhão agrega valor significativo ao produto, sendo a paçoca vendida ao preço médio de R$ 17,00/kg.