Início 360 Graus 360Graus, por Francisco Rocha: Feriadão, Reestreia, Benefícios Sociais e Esgoto e as...

360Graus, por Francisco Rocha: Feriadão, Reestreia, Benefícios Sociais e Esgoto e as Áreas de Preservação

Continua depois da publicidade

Feriadão
Buenas, leitores da Folha!
Neste feriadão Farroupilha, você recebeu uma edição reduzida, isso porque fechamos na no dia 20 e do dia 21, uma merecida folga após tanta correria nas semanas anteriores.
Mas, e como sempre há um mas em tudo, a edição é reduzida no número de páginas, não na qualidade, então, ao fim e ao cabo, vamos aos fatos, porque contra eles não há argumentos.

Reestreia
Novamente às páginas da Folha, na condição de colunista, o amigo Peterson Secco, abrindo a coluna Água na Boca (espia lá na página 10) ou no link abaixo: https://portaldafolha.com.br/2018/09/19/coluna-agua-na-boca-por-peterson-secco-a-melhor-comida-esta-tao-perto-da-gente/.

O Pet será um dos nomes que entendem muito de gastronomia que se somam ao time da Folha para criar um conteúdo de qualidade para nossos leitores.
Dito isso, você já percebeu que vem mais estreias por aí, nas próximas semanas.
Pet, amigo, seja bem-vindo ao nosso time da Folha e muito obrigado pela parceria.

Persona não grata
Por ser uma “persona não muito grata” entre alguns dos governos de Canela, na época em que fui funcionário concursado na Prefeitura de Canela, como castigo, fui mandado trabalhar em diversos setores. O que deveria ser um castigo imposto à minha suposta ligação política, acabou me trazendo um conhecimento prático destes setores, um deles, o Bolsa Família, no qual trabalhe nos anos de 2005 e 2006, dentro da Secretaria de Assistência Social.

Benefícios sociais I
Nunca se falou tanto nos tais benefícios sociais, tais como BPC – Benefício de Prestação Continuada e Bolsa Família, como nestas últimas semanas, próximas das eleições.
O papo cresceu, aqui na Região, depois da denúncia que um cidadão abastado, vivia muito bem obrigado, em Gramado, recebendo o BPC.
Para tanto, e sem entrar no mérito do pagamento dos benefícios, fizemos um levantamento de quantas pessoas recebem esses auxílios em Canela. A matéria está lá na página 04.

Benefícios sociais II
O número de beneficiários dos programas assistenciais em Canela quase dobrou nos últimos 10 anos. Claro que nossa população cresceu também, mas nem perto de dobrar né?
Então, porque tanta gente recebendo Bolsa Família em Canela?
Simples, são três os motivos. Primeiro porque somos destino de um fluxo migratório muito grande, no qual as pessoas se mudam para Canela em busca de mais oportunidades e acabam caindo em uma situação de vulnerabilidade (quando não vinham nesta situação de outras cidades), acabando em áreas invadidas e por aí vai.
Segundo, porque estes programas foram ampliados nestes últimos 10 anos, mas, principalmente, porque eles não funcionam. Em alguns casos, estes benefícios são a única fonte de renda das famílias, quando deveriam ser temporários.
Uma qualificação dos beneficiários, no sentido de que pudessem gerar, dentro de algum tempo, sua própria renda, nunca aconteceu como deveria. Falo isso com conhecimento de causa.
Sendo assim, sem políticas públicas eficazes, é impossível progredir, ficando os programas assistências como uma muleta, que serve de escora e ajuda a andar, mas não curam a doença.

Números
Nos últimos meses, a Folha vem mostrando essa realidade de Canela, apresentando número de inscrições da educação infantil, dos cartões SUS e agora dos benefícios sociais. Porém, nenhuma política pública adequada acontece, assim, anda melhora, só aumenta o tamanho do buraco.

Esgoto e as áreas de preservação I
Na última segunda, enquanto secava o glorioso Internacional na TV, o vereador Marcelo Savi me marcou em uma publicação no Facebook sobre os alagamentos da Rua Batista Luzardo, no canal que vem do lago.
A moradora enfrenta alagamentos sempre que chove, quando não chove, convive com o mau cheiro do canal e dos ratos que são frequentes. Nenhuma novidade…
Aqui na Padre Cacique, um cidadão tentou fazer um aumento na sua casa e não foi autorizado pela Prefeitura porque estava a menos de 30 metros de uma APP – Área de Preservação Permanente, o tal canal do lago.
Eu mesmo, já entrei com vários pedidos para fechar o tal canal, sempre existe uma burocracia ou pedido impossível de realizar que me impede.
Lá na João Pessoa, um empreendedor está tentando cobrir o canal há anos, também, esbarra na tal de APP alegada pela Prefeitura.
Já ouvi de tudo quanto foi desculpa esfarrapada neste sentido, a primeira, é de que a Fepam está trancando. P#%%@ nenhuma, a Prefeitura nunca fez uma projeto neste sentido, sendo assim, a Fepam nunca trancou nada, pois nunca lhe foi solicitado nada neste sentido.
Se você já ouviu essa desculpa de alguém da Prefeitura, saiba que é fake, pra não dizer que é mentira mesmo.
A segunda lorota muito contada é de que o Ministério Público não permite. Outra conversa pra boi dormir. Perguntei pessoalmente ao promotor Paulo Vieira de Almeida sobre o tema e ele me respondeu que nunca chegou um expediente neste sentido lá no MP. Além disso, disse que se for feito dentro da legalidade não tem problema nenhum.
Então, caros leitores, se lerem ou ouvirem qualquer uma destas desculpas acima, saibam que não condiz com a verdade.

Esgoto e as áreas de preservação II
Primeiro, e mais importante de tudo, é necessário estabelecermos que este canal do lago não é nenhuma área de preservação ambiental, muito pelo contrário, é um grande canal de esgoto que corta a cidade, já sem a preservação de seu leito original e sem mata ciliar, aquela em volta, que protege o curso d’água.
Após, é preciso dizer que é uma situação consolidada, com diversas construções lindeiras e sobre o canal.
Finalizando, a Prefeitura não vai despoluir o curso d’água. Está aí o caso das ETEs que não funcionam para mostrar que nem mesmo o esgoto que é recolhido é tratado, então, passou da hora de ficar sentado em cima da bandeira ambiental, nesta utopia de que isso é preservação.
Existem dois caminhos:
1) A Prefeitura assume que esta área é uma APP, desapropria todas os terrenos em que o canal passa dentro, pagando valor de mercado, desmancha as construções e preserva um lindo córrego de esgoto no centro da cidade, num investimento milionário que deixaria os ambientalistas em êxtase, uma coisa linda e utópica, que nunca vai acontecer, ou;
2) Faz o licenciamento do canal, considerando o mesmo um canal de macrodrenagem urbana (extremante poluído), em uma situação consolidada, em um investimento viável e uma solução racional, permitindo a canalização e fechamento deste córrego.
Tomando a atitude número 2, o Poder Público poderá regularizar as áreas já construídas sobre e ao lado do canal, permitiria um uso racional dos terrenos e pararia de penalizar os contribuintes que querem fazer a coisa pelo caminho legal.
Legal, né? Falta o que agora?
Ah, lembrei, vontade política de fazer.

Precisamos pensar melhor
Uma das grandes empresas da região, presente com grande investimento no centro da cidade, ao tentar fazer uma alteração na sua fachada, com o fechamento de parte dela com vidros, foi impedida pelo conselho do plano diretor.
Pouco tempo depois, ao receber representantes de um evento local, pedindo patrocínio, disse que a vida é uma via de duas mãos.
Até quando Canela vai insistir nesta de travar investimentos da iniciativa privada sob a bandeira do desenvolvimento sustentável, ou do está na lei e pronto, em áreas totalmente consolidadas, como a Felisberto Soares?
Quantos investimentos a cidade vai precisar perder para entender que existem situações que devem ser estudadas caso a caso?
Por essas e outras que digo: quanto menos estado, melhor!

Mais 45 ruas
Parabéns à Prefeitura por esta conquista das 45 ruas. Inegavelmente, essa pavimentação traz um avanço social muito grande aonde passa, melhora a vida das pessoas e valoriza imóveis.
Canela, aos poucos, vai tendo poucas ruas sem pavimentação, o que é nítido a quem circula a cidade, como eu.
Mas, e como há sempre um mas em tudo, peço ao prefeito Constantino, pela segunda vez, que se atente para a Rua Almirante Barroso, naquele trechinho de menos de 100 metros, onde fica sem saída, após a Rua Augusto Pestana.
Prefeito, é a única rua sem pavimentação no centro da cidade. Poderia até mesmo receber os paralelepípedos retirados destas ruas que serão asfaltadas.
#ficaadica #denada

Valeu Ratinho
Ao secretário Ratinho, mil gracias por atender aos pedidos dos leitores da Folha. Fiquei devendo aqui o registro do fechamento na boca de lobo da Rua Peru, pedido aqui e prontamente resolvido.
Aí que me refiro!