Início Canela SUS não tem mais como atender a demanda em Canela

SUS não tem mais como atender a demanda em Canela

Foto: Reprodução - Fila para agendamento de consultas na UBS do centro
Continua depois da publicidade

Crescimento da população aumenta o uso do serviço e gera filas todas as semanas nas Unidades de Saúde

A Folha de Canela tem mostrado através de diversas reportagens o crescimento populacional de Canela, refletidos no aumento das vagas na educação infantil, no número de benefícios sócias cadastrados na cidade e no aumento assustador dos números de Cartões Sus.
A situação fica ainda mais nítida quando vimos as filas para agendamento de consultas, principalmente na UBS do centro, na quadra do Hospital de Canela.
A foto que ilustra esta matéria é da última sexta (28), quando diversas pessoas engrossavam a fila que se estendia pelo passeio público.
Nossa reportagem entrou em contato com o secretário Municipal de Saúde, Jean Spall, questionando o motivo destas filas e das reclamações da falta de atendimento. Segundo Jean, são vários os motivos que causam essa situação, primeiro, pela unidade central ser a que atende a maior parte da cidade, como Vila Boeira, Celulose, todo o centro, parte do Palace Hotel e outras áreas que não contam com PSF – Programa de Saúde da Família.
Como é uma região muito grande, acaba sobrecarregando a unidade central”, afirma Jean, que informou ainda que uma alteração física na UBS está sendo feita para acomodar mais um médico atendendo.

Ajustes e orçamento
O orçamento deste ano, e também o do ano que vem, já está definido, o que não deixa muita folga para maiores investimento, sendo o secretário, mas um dos ajustes a serem realizados é o reagendamento da consulta diretamente com o médico, após a consulta, de acordo com o entendimento de quando o paciente vai precisar voltar, tirando boa parte das pessoas das filas para reagendar uma consulta.
Algumas pessoas estão sendo atendidas todas as semanas, tirando a oportunidade de outras que ainda não consultaram, assim, o médico vai determinar o retorno do paciente”.
O agendamento apenas por telefone também está sendo estudado pela Secretaria de Saúde.
O sistema explodiu”, admite o secretário, quando informa que a população cresceu e algumas pessoas, em razão da atual situação financeira, abandonaram as consultas particulares e planos de saúde, migrando para o SUS.
Não há nem mesmo espaço físico, em pouco mais de quatro anos, o Município abriu seis novas escolas de edução infantil, devido ao crescimento da demanda, na saúde, não foi feito o mesmo investimento”, admite Jean.

Tudo envolve investimento, não falta vontade, faltam recursos” – Jean Spall, secretário Municipal de Saúde

Novas unidades precisam ser implantadas
Hoje, Canela tem todas as salas ocupadas. “Nós estamos com todas as salas ocupadas, não há mais como por profissionais, por isso estamos estudando a questão do turno estendido e a construção da unidade nova do Leodoro de Azevedo e outra no Canelinha. Profissionais, até temos a empresa contratada e nos forneceriam os médicos, o problema é espaço físico mesmo”, explica Jean.
O orçamento da saúde ficou fixado pela LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) novamente em 15% da receita própria do Município para 2019, mas as cidades, em média tem gastado mais de 21%.
Não são soluções que se constroem do dia para a noite”, admite o secretário, “existem tratativas dentro destas permutas de imóveis públicos por área construída, com estudos para implantação de novas unidades, mas tudo envolve investimento, não falta vontade, faltam recursos”.
O turno à noite seria uma solução mais rápida, pois poderia atender essa população usando as mesmas estruturas físicas, mas seria necessário tirar recursos de outras áreas para suprir essa demanda.
De qualquer maneira, precisamos calcular isso muito bem e criar uma solução coletiva”, finaliza Jean.