Início Saúde Academia Municipal de Canela oferece Práticas Complementares 

Academia Municipal de Canela oferece Práticas Complementares 

Continua depois da publicidade

A Academia Municipal, que foi reaberta em 2017, tem o objetivo de promover ações de saúde física e mental e conta atualmente com a supervisão da profissional de Educação Física Patrícia Liesenfeld, tendo apoio da estagiária em Educação Física Jéssica Marques, para atender semanalmente os 185 alunos.
Conforme Patrícia, nos acompanhamentos com usuários idosos, pessoas com doenças crônicas ou com necessidades especiais, são oferecidas atividades físicas e Práticas Corporais que visam integrar e complementar o tratamento na atenção básica. Além disso, o espaço disponibiliza equipamentos para musculação, atividades físicas variadas e Práticas Integrativas Complementares – PICs.

A supervisora da Academia Municipal destaca que o objetivo principal é a promoção da saúde e qualidade de vida dos usuários. “Qualificamos o atendimento, ampliamos o acesso e o escopo das atividades ofertadas para a população do nosso município. Estudos indicam que atividade física regular reduz o risco de morte prematura por doenças cardiovasculares, diabetes do tipo II, reduz a depressão e a ansiedade, ajuda a controlar o peso corporal, a reduzir a hipertensão arterial, ajuda na diminuição de dores corporais por falta de exercícios e previne lesões osteo musculares”, comenta.

Ações de cuidados

Seguindo esta proposta, as Práticas Integrativas e Complementares (PIC’s) são ações de cuidados transversais que se destinam a população em geral. O campo das Práticas Integrativas e Complementares contempla recursos terapêuticos, reconhecidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e envolvem abordagens que buscam estimular os mecanismos naturais de prevenção de agravos e recuperação da saúde por meio de terapias eficazes e seguras, com ênfase na escuta acolhedora, no desenvolvimento do vínculo terapêutico e na integração do ser humano com o meio ambiente e a sociedade.
Esta iniciativa representa a democratização da saúde e humanização dos serviços, pois amplia as opções terapêuticas aos usuários do SUS, oferecendo-lhes um leque de ações resolutivas, pouco invasivas e de baixo custo. “Facilita o vínculo dos sujeitos e aderência ao tratamento”, frisa a professora.



Acesso
pelas Unidades de Saúde
A porta de entrada para ter acesso aos serviços da Academia Municipal e as Práticas Integrativas Complementares é por meio das Unidades Básicas de Saúde (UBS): encaminhamento por médicos, enfermeiras, psicólogas, nutricionistas e demais membros da equipe da Atenção Básica. Ingressando na academia o usuário passa por avaliação física, do histórico do paciente, medidas antropométricas (levantamento das medidas de tamanho e proporções do corpo humano: peso, altura, circunferência da cintura e do quadril) e teste de esforço. Após esta avaliação é elaborado o plano terapêutico para este usuário onde está incluído atividades físicas e as PIC’s. “Começamos com oficinas de Massoterapia, mas hoje contamos com outras PIC’s como: auriculoterapia, meditação, yoga e shiatsu”.

Estas práticas são oferecidas durante quatro dias da semana, das 16h às 17h, para os usuários da Academia Municipal. “A maioria dos usuários relata melhora significativa no quadro de dor. Principalmente nos casos de ansiedade, a auriculoterapia está ajudando e diminuindo a medicação de muitos usuários”, conclui Patricia.

Fotos: Divulgação