Início 360 Graus 360 Graus – Em qual mentira você prefere acreditar?

360 Graus – Em qual mentira você prefere acreditar?

Continua depois da publicidade

Vivemos em época de fake news, onde a população é bombardeada de informações de todos os lados, geradas por instituições, técnicos, médicos, partidos políticos, meios de comunicação. Cada um deles com sua ótica sobre o assunto e dados, muitos dados, na mão.

Em época de Covid-19, isso se potencializa. Quer um exemplo? Estes são os dados do dia 20, ao nível nacional.

• 291.579 diagnosticados com COVID-19

• 156.037 em acompanhamento (53,5%)

• 116.683 recuperados* (40,0%) • 18.859 óbitos (6,5%)

Poderia fazer uma manchete assim: Brasil está perto de alcançar os 300 mil casos de Covid-19!

Ou assim: 20 mil mortos no Brasil, são os números da Pandemia

Mas poderia dizer também: Número de pacientes recuperados do Covid-19 supera os 116 mil no Brasil

Ou ainda: Nas últimas 24 horas, 9.889 pessoas se recuperaram da Covid-19

Existem três tipos de mentiras, dizia o primeiro-ministro britânico Benjamin Disraeli: as mentiras, as mentiras deslavadas e a estatística. O dito tem o mérito de alertar para um tipo de mentira que se esconde sob o manto do rigor científico. Mas a classificação merece ser ampliada. A começar pela própria frase de Disraeli, que não é encontrada em nenhum de seus escritos e cuja primeira aparição aconteceu anos depois de sua morte em 1881. Segundo o psicólogo e escritor Daniel Levitin, uma forma de ludibrio comum é afirmar que quatro em cada cinco dentistas recomendam esta ou aquela pasta de dentes. A impressão é que a marca citada é bem superior às demais. Na verdade, a pesquisa permite que os dentistas recomendem mais de uma marca – e várias apresentam nível de recomendação similar.

Levitin narra que, após o ataque terrorista de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos, aumentou o medo dos americanos de viajar de avião. O resultado foi que, nos meses seguintes, o número de acidentes fatais nas estradas cresceu, porque mais gente viajou de carro – um meio de transporte menos seguro que o avião. Em linhas gerais, Levitin recomenda o uso da lógica, a busca de informações de boas fontes, a revisão de pares e o pensamento crítico. O duro é que essas atitudes são resultado de uma postura de vida, não um aplicativo que possa ser baixado no celular. Até porque, sem esse hábito do pensamento crítico, você sequer vai perceber que existe um problema.

Os números, esses brincalhões

Senão vejamos: Canela fez, até quarta-feira, 110 testes para Covid-19, sendo que 67 são pela rede particular. Ou seja, o poder público testou a enormidade de 43 pessoas, de uma população maior que 45 mil pessoas.
Vão descobrir o que? Vão basear políticas públicas neste número. Você confia nesta estatística?

Agora o Governo do Estado: RS registra 161 óbitos por Covid-19!
Ou: No RS, são 3.736 recuperados, 75,2% dos casos confirmados É aquele velho ditado: torturem os números e eles confessam.

Veja bem, não estou dizendo que é uma gripezinha, mas também não estou dizendo que o apocalipse viral. Mas, no fim, você escolhe no que quer acreditar!