Início Coronavírus Gramado permanece na bandeira laranja

Gramado permanece na bandeira laranja

Continua depois da publicidade

O município de Gramado segue nesta semana na bandeira laranja. O decreto estadual nº 55.240 do dia 10 de maio dividiu o RS em regiões e bandeiras. Confira as restrições e o que pode ou não abrir em cada setor:

– Restaurantes no estilo buffet devem suspender as atividades;

– Parques turísticos – fechado;

– Parques e reservas naturais, jardins botânicos e zoológicos – 50% dos trabalhadores e 25% público (somente em áreas externas);

– Hotéis e pousadas podem atender apenas 50% dos quartos;

– Imóveis de locação por temporada – no momento permanecem suspensos por decreto municipal;

– Casas noturnas, bares e pubs – fechado;

– Eventos, teatro, cinemas e similares – fechado;

– Academia de Ginástica (inclusive em clubes) – 25% dos trabalhadores;

– Clubes sociais, esportivos e similares – 25% dos trabalhadores e atendimento individualizado de atletas profissionais e amadores por ambiente;

– Reparação e manutenção de objetos e equipamentos – 50% dos trabalhadores;

– Lavanderias e similares – 50% dos trabalhadores;

– Serviços de higiene pessoal (salões de beleza e barbearias) – 25% dos trabalhadores e atendimento individualizado por ambiente;

– Missas e serviços religiosos – 25% do público;

– Bancos, lotéricas e similares – 75% dos trabalhadores;

– Imobiliárias e similares – 50% dos trabalhadores;

– Serviços de contabilidade, auditoria, consultoria, engenharia, arquitetura, publicidade e outros – 50% dos trabalhadores;

– Serviços profissionais de advocacia – 50% dos trabalhadores;

– Serviços administrativos e auxiliares – 50% dos trabalhadores;

– Agências de turismo, passeios e excursões – 25% dos trabalhadores;

– Vigilância, Segurança e Investigação – 75% dos trabalhadores;

– Serviços para edifícios (limpeza e manutenção) – 75% dos trabalhadores;

– Funerária – 100% dos trabalhadores e máximo de 10 pessoas por velório se falecimento por Covid-19;

– Pesquisa científica e laboratórios (pandemia) – 100% dos trabalhadores;

– Call-center – 50% dos trabalhadores;

– Faxineiros, cozinheiros, motoristas, jardineiros, babás e similares – 50% dos trabalhadores;

– Comércio atacadista e varejista (não essencial) – 50% dos trabalhadores;

– Comércio varejista de produtos alimentícios – 75% dos trabalhadores;

– Comércio atacadista e varejista (itens essenciais) – 75% dos trabalhadores;

– Comércio de combustíveis para veículos automotores – 75% dos trabalhadores.

Toda semana o Estado avaliará a situação dos municípios e das regiões e estabelecer as bandeiras e protocolos de saúde e higienização.

Como funciona o Modelo de Distanciamento Controlado

O Modelo de Distanciamento Controlado do Rio Grande do Sul foi criado baseado em critérios de saúde e de atividade econômica, sempre priorizando a vida. Pensou-se, então, em um sistema de bandeiras, com protocolos obrigatórios e critérios específicos a serem seguidos pelos diferentes setores econômicos.

O Rio Grande do Sul foi dividido em 20 regiões, que são analisadas considerando a velocidade de propagação da Covid-19 e a capacidade de atendimento do sistema de saúde. No total, 11 indicadores (como número de novos casos, óbitos e leitos de UTI disponíveis, dentre outros) determinam a classificação das bandeiras da região.

Conforme o grau de risco em saúde, cada região recebe uma bandeira nas cores amarela, laranja, vermelha ou preta. O monitoramento é semanal, e a divulgação das bandeiras ocorre aos sábados, com validade a partir da segunda-feira seguinte. Os protocolos obrigatórios devem ser respeitados em todas as bandeiras. Além disso, cada setor econômico tem critérios específicos que variam de acordo com a bandeira.

Foto: Carlos Borges