Início Canela Pebolim humano: uma alternativa para a prática do futebol em tempos de...

Pebolim humano: uma alternativa para a prática do futebol em tempos de pandemia

Ingool propõe manter a prática do futebol durante a pandemia, com distanciamento social - Fotos: Reprodução
Continua depois da publicidade

Espaços esportivos de Canela apresentam proposta para a prática do futebol mantendo o distanciamento social

RECEBA AS NOTÍCIAS DO PORTAL DA FOLHA GRATUITAMENTE NO SEU WHATSAPP!

Saudade do futebol, né meu filho? Mas, saiba que você não está só!
Centenas de praticantes do futebol não profissional de Canela, que mantém um horário para a prática esportiva, ao menos uma vez por semana, estão impossibilitados de jogar, em razão das restrições do distanciamento controlado em enfrentamento à pandemia do novo coronavírus.

Pensando nisso, o Ingool e o Ginásio do Sindicato apresentaram uma proposta para que o futebol possa seguir, dentro da ideia de adaptação das atividades ao “novo normal”.

A proposta segue a linha do “NewFut”, praticado em Curitiba/PR e do “Metegol”, surgido na Argentina. Por apresentar espaços demarcados no campo de jogo, esta nova modalidade de futebol já foi apelidada de pebolim humano, numa referência ao jogo de mesa, também conhecido como FlaFlu, onde os jogares ficam fixos em uma barra de ferro.

Veja como funciona o NewFut em Curitiba/PR

Veja abaixo alguns detalhes.

Pebolim Humano

A prática é bastante simples. O campo de jogo é dividido em quadrados e os jogadores só podem se movimentar dentro destas limitações. Ou seja, mantendo o distanciamento.
Dentro e fora da quadra, um rigoroso protocolo deve ser seguido para que se possa chegar no momento de jogar.

“Não é o futebol, como conhecemos, mas é uma alternativa para quem quer praticar o esporte mantendo os cuidados sanitários”, explica a arquiteta Mariela Felippetti, que criou o protocolo proposto pelo Ingool e Ginásio do Sindicato.

Quadra para o futsal

Segurança e serviço diferenciado

Mariela explica que ambos estabelecimentos não se consideram um local para eventos esportivos que geram aglomeração. “Somos como uma academia para nossos clientes, que são grupos de amigos, da cidade, que até trabalham juntos. Desde sempre, nos propomos as regras de distanciamento e sugerimos inclusive a delimitação dos espaços para que os jogadores habituais possam fazer seu exercício semanal e mantendo-se saudável durante a quarentena”, disse Mariela.

Para os dois estabelecimentos, não se trata apenas de uma questão de lazer. Em alguns casos, o futebol é a única atividade física praticada pelo jogador na semana, por isso defendem que manter esta atividade física nesse período de pandemia é de extrema importância para a saúde dos indivíduos.

“Nem sempre temos o poder de escolher as circunstâncias das nossas vidas, mas sempre temos o poder de escolher como vamos encará-las”, finalizou a representante da Ingool, que se colocou como voluntária para organizar os protocolos para outras quadras da cidade que queiram utilizá-lo, caso aprovado.

Quadra para o Society

Jogadores querem voltar

Usuários dos serviços do Ingool e do Sindicato realizaram um pedido com mais de cem assinaturas pedindo que o serviço possa ser disponibilizado.

Pedido na Prefeitura

Um documento com o protocolo a ser adotado foi enviado à Prefeitura, pedindo que a permissão para que os jogos possam voltar, adotando o protocolo sugerido.

Como é jogado

Associação NewFut em Curitiba apresenta a proposta que teve sucesso, no Paraná

A modalidade traz algumas diferenças para o futebol normal. Seguem algumas delas:

Cada atleta deve jogar em seu limite estipulado. Há um rodízio entre os espaços, que acontece sempre que uma equipe marca um gol.

Pode chutar a gol de qualquer local da quadra, mas cada jogador pode dar apenas dois toques na bola, ou tabelar duas vezes com seu companheiro, mas a posse de bola limita-se a três segundos.

Quais seriam os protocolos?

Na chegada, os jogadores seriam recebidos com tapete sanitizante e devem trocar de calçados (usar um único para acessar a quadra). Álcool gel e revisão da temperatura corporal estarão disponíveis.

O acesso ao local é restrito apenas aos jogadores, sem torcida ou acompanhante e deve-se manter o afastamento de 1,5m.

O espaço manterá janelas abertas para ventilação. Os funcionários realizarão a higienização das superfícies (maçanetas, corrimão, balcões, mesas e cadeiras, goleiras e máquina de cartão), entre os horários de ocupação da quadra.

Banheiros e vestiários terão restrição do número de pessoas, de acordo com a metragem quadrada e os funcionários sempre estarão utilizando os EPIs, equipamentos de proteção individual.

Importante, entre cada jogo, será respeitado o espaço de uma hora, para que seja realizada a higienização do local.