Início Canela Semana Farroupilha de Canela deverá ser on-line

Semana Farroupilha de Canela deverá ser on-line

Continua depois da publicidade

A Semana Farroupilha de Canela deverá ser on-line, segundo o secretário municipal de Turismo e Cultura Ângelo Sanches. É consenso que não será possível definir uma programação aberta ao público, diante das incertezas sobre como ficarão os protocolos de segurança até setembro.

RECEBA AS NOTÍCIAS DO PORTAL DA FOLHA GRATUITAMENTE NO SEU WHATSAPP!

Por isso, este mês julho o curador da Semana Farroupilha, Márcio Cavalli, promoveu reunião virtual com representantes de entidades para estudar alternativas e relataram dificuldades para organizar qualquer evento presencial, a começar pelo fato de grupos de dança nem poderem ensaiar. Na ocasião, participaram da reunião: CTG Querência, Piquete de Laçadores Zezé Cardoso, Os Tapejaras, DTG Chaleira Preta (Escola Estadual Neusa Mari Pacheco), DTG Amigos Estancieiros e DTG Fogo de Chão (Escola Municipal Santa Terezinha).

“A gente não sabe como será em setembro. Muitas pessoas estarão desempregadas, tentando se recuperar, aí não tem como colocar um clima de festa em meio a tudo isso. Toda a parte artística e campeira fica prejudicada, mas vamos manter o evento como símbolo de civismo e com foco em conteúdos culturais elaborados pelo pessoal voluntário. Talvez se idealize entonação de hinos com distanciamento, mas ainda estamos analisando”, diz o curador.

Com isso, a Semana Farroupilha aproveitará a estrutura dos programas on-line da Temporada de Inverno. Além disso, haverá atividades como palestras e oficinas pela manhã e à tarde, com foco no público estudantil. A veiculação pela internet, por um lado, proporcionará que outras pessoas prestigiem a programação.

Segundo Márcio Cavalli, o evento estava com sua grade artística contratada desde janeiro, com artistas locais e renomados, e tudo teve de ser cancelado. Diante disso, se pensou em fazer uma programação somente com músicos da cidade, mas a imprevisão sobre a duração do distanciamento social, o enxugamento de recursos e o agravamento da situação sanitária fizeram a Secretaria de Turismo e Cultura rever o evento. “Talvez tenhamos um protocolo mais brando até setembro, mas dificilmente teremos uma atividade como os desfiles a cavalo”, comenta o secretário de Turismo e Cultura Ângelo Sanches.

“O curador do evento nos passou que as entidades tradicionalistas que participam da elaboração do evento entendem o momento e se mostraram solidárias e parceiras. Neste tempo em que as pessoas se utilizam do on-line, é louvável a iniciativa de se reinventar o evento dessa forma”, diz o prefeito Constantino Orsolin.