Início Colunas Colchão financeiro garante um sono tranquilo • Juliana Alano #3

Colchão financeiro garante um sono tranquilo • Juliana Alano #3

Continua depois da publicidade

Caro leitor, você sabe o que é um colchão financeiro? O nosso papo de hoje é sobre ele. Mas não é aquele colchão que dormimos, entretanto proporciona uma sensação de bem estar e tranquilidade tanto quanto. Muitos educadores financeiros usam esse termo para falar de reserva financeira.

SIGA A JULIANA NO INSTAGRAM

Você deve estar se perguntando, mas quanto precisa ser o tamanho dessa reserva? Vai depender do seu custo de vida, vamos para um exemplo prático:

– Se as suas despesas com moradia, transporte, alimentação, lazer, dentre outros, somam R$5.000,00 no mês, você deveria ter um colchão que cubra 6 meses desse valor, ou seja, R$30.000,00. Esse montante vai garantir seis meses de segurança caso aconteça algo que impossibilite de trabalhar e ter receitas neste período.

Chamo sua atenção para um grande equívoco, muitos conseguem chegar no valor do seu colchão financeiro, mas fazem isso de forma irracional e na primeira oportunidade acabam se dando o luxo de comprar o celular que acabou de ser lançado, o carro novo, trocam o guarda roupa, viajam, e a última coisa que pensam é numa eventual necessidade, literalmente chutam o balde sem consciência.

Com a vinda da pandemia muitas pessoas foram pegas de surpresa, não tinham nenhum tipo de reserva e estão passando dificuldades para viver dentro de um novo padrão de vida, uma nova realidade. E pior ainda quem não está se adaptando está a um passo de entrar para as estatísticas de endividamento do país.

O colchão financeiro ou a reserva financeira, como preferir chamar é um dinheirinho sagrado, é aquele que vai te garantir boas noites de sono e uma vida com mais qualidade, tranquila. Se você ainda não possui lhe sugiro pensar nisso com urgência. Se você tinha e usou, trate de repor esses valores o quanto antes.

ACESSE O SITE DA COLUNISTA CLICANDO AQUI!

Lembrem-se que Dinheiro NÃO traz FELICIDADE para quem não sabe o que FAZER com ELE.

Leia também a coluna da semana passada!