Início 360 Graus Estado diz que população idosa em asilos fez a diferença na distribuição...

Estado diz que população idosa em asilos fez a diferença na distribuição de doses da vacina

Foto: Felipe Dalla Valle/ Palácio Piratini
Continua depois da publicidade

Na tarde desta terça (19), entrei em contato com a 5ª Coordenadoria de Saúde, braço da Secretaria de Estado da Saúde, sediada em Caxias do Sul, região da qual fazem parte Canela, Gramado e Nova Petrópolis.

Meu contato foi sobre a diferença do número de doses da Coronavac, vacina contra Covid-19, recebido pelas cidades. Para registro, Canela recebeu 390 doses, Nova Petrópolis 500 e Gramado 530.

A expectativa da Prefeitura de Canela era o recebimento de, pelo menos, 700 doses.

Obviamente, os critérios levam em conta o público-alvo, idosos em lares permanentes (asilos) e profissionais da linha de frente de combate ao coronavírus, mas, Canela é o município mais populoso da Região das Hortênsias.

RECEBA GRATUITAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS NO SEU WHATSAPP

Fui atendido na 5ª Coordenadoria de Saúde pela responsável pela vigilância epidemiológica, Marta Miranda. Ela detalhou números sobre como foi feita a distribuição.

Primeiro, o Governo do Estado levou em conta os dados da vacinação contra H1N1 em 2020 e um levantamento dos profissionais de saúde.

Mas, segundo Miranda, o que mudou mesmo os números foram os idosos que vivem em casas asilares e os profissionais que trabalham nos asilos. “Esta população deve ter 100% de vacinação, segundo o protocolo, ou seja, todos os idosos e todos os profissionais destas casas. Somente em Nova Petrópolis, são 180 pessoas deste grupo, contra 80 de Canela”, disse ela, segundo dados do Estado.

Já os profissionais da linha de frente obedecem um critério que indica 34% de vacinação deste grupo.

Mesmo assim, a Prefeitura de Canela não se conforma com os números e vem cobrando do Governo do Estado o envio de mais doses para a cidade. A vacinação em Canela está prevista para iniciar nesta quarta (20).

Na modesta opinião deste colunista, tem coisa que não tem explicação, como enviar 10 doses de vacina para uma cidade, por menor que ela seja.

Acredito que, se o Governador Eduardo Leite teve tempo para ir em São Paulo buscar as vacinas, poderia ter estudado melhor este mapa de distribuição. Simplesmente dizer que foi critério técnico é um argumento muito raso.