Canela,

16 de julho de 2024

Anuncie

Proposta de R$ 150 milhões foi a vencedora no leilão do Parque do Caracol

Compartilhe:

Leilão aconteceu na Bolsa de Valores de São Paulo - Fotos: Reprodução

Vencedora do leilão é do mesmo grupo que administra o Parque Bondinho Pão de Açúcar, no Rio de Janeiro

O grupo Consórcio Novo Caracol venceu o leilão de concessão dos Parques do Caracol, em Canela, e Tainhas, em São Francisco de Paula, pelo período de 30 anos.

A oferta foi de R$ 150 milhões, ágil de 5.341,15%. O segundo colocado foi a Oceanic Atrativos Turísticos, que ofereceu R$ 41,7 milhões. A empresa pertence ao grupo Livepark, que administra o zoológico e o jardim botânico de São Paulo. Em terceiro lugar, com uma proposta de R$ 15 milhões, ficou a Construcap, que administra os parque nacionais da Serra Geral e dos Aparados da Serra, em Cambará do Sul.

O secretário de Meio Ambiente e Planejamento de Canela, Alfredo Schaffer, acompanhou o leilão, que ocorreu às 10hdesta quinta (11), na sede da B3 em São Paulo.

A concessão é um projeto do governo do Estado para impulsionar o ecoturismo nos parques estaduais do Caracol e Tainhas.  Do total previsto para investimentos, R$ 23,7 milhões serão obrigatórios a serem realizados nos seis primeiros anos de contrato, além de despesas operacionais de R$ 417,3 milhões ao longo dos 30 anos de contrato. Do total de investimentos previstos no contrato, 80% deverá obrigatoriamente acontecer no Parque do Caracol.

Para o secretário extraordinário de Parcerias do Estado do RS, Leonardo Busatto, “o novo gestor poderá trazer, além de investimentos e melhorias, um retorno para a cidade de Canela, com empregos, impostos, com toda a capacidade de divulgação que uma empresa privada tem”.

A proposta vencedora do leilão é do mesmo grupo que administra o Parque Bondinho Pão de Açúcar, no Rio de Janeiro. Representantes da empresa devem estar na próxima semana em Canela. A previsão é que até dezembro o Parque já esteja sendo operado pela iniciativa privada.

Importante salientar que a entrada no Parque continuará sendo gratuita para canelenses.

O Parque do Caracol possui 100 hectares, mas somente 25 hectares, que correspondem à área de visitação, serão concedidos. Já o Parque Estadual de Tainhas conta com seis mil hectares ao longo do Rio Tainhas, passando pelos municípios de São Francisco de Paula, Jaquirana e Cambará do Sul. A área de visitação, alvo da concessão, representa 1,5% da área total.

O que fica para Canela?

Dos R$ 150 milhões do leilão, nada fica para os municípios, o valor vai todo para o Governo do Estado.

Canela irá receber uma participação nos lucros a partir do momento em que o Parque do Caracol estiver sendo operado pela concessionária, tais como bilheteria, aluguéis de espaços, estacionamento e tudo mais que gere receita. Destes valores, brutos, Canela receberá 6%  nos três primeiros anos e 3% no restante do período do contrato.

Existe um projeto referencial do que deverá ser implementado no Parque, o que deixa em aberto novas ideias trazidas pelo vencedor do leilão, porém, assim como acontecia com o Município de Canela, todas as alterações devem ser aprovadas pelo Governo do Estado.

As obras que acontecerão no Parque deverão ter projetos e serão analisadas e licenciadas pela Prefeitura. Este será o primeiro momento em que o Município terá retorno financeiro com a concessão, através do pagamento de taxas.

Além disso, a previsão do BNDES, que desenvolveu parte do projeto de concessão, somando IPTU, ISSQN, taxas e participação nos lucros, o Município de Canela terá uma receita de R$ 2,2 milhões por ano, diretamente.

Segundo informações da Prefeitura de Canela, a previsão de arrecadação do Parque para este ano ficaria em torno de R$ 5.601.604,78. Deste valor, 20% é repassado ao Estado (R$ 1.120.320,96). Cerca de 36% é utilizado na manutenção do próprio Parque (R$ 2.016.418,71) e 44% investido no desenvolvimento do turismo através da promoção do destino Canela e dos eventos realizados e apoiados pelo Município.

Sendo assim, um valor aproximado de R$ 2,4 é o que realmente sobra nos cofres do Município, no modelo atual.