Canela,

16 de julho de 2024

Anuncie

Incentivar a denúncia é o grande desafio na luta pelo fim da violência contra a mulher

Compartilhe:

A Juíza Simone Chalela falou sobre o tema com a reportagem da Folha e destacou a difícil tarefa de oferecer proteção

Atualmente, são 245 processos ativos, tramitando na Comarca de Canela, com vítimas de violência familiar. O mês de agosto, o Agosto Lilás, é dedicado no combate à violência contra a Mulher.

A reportagem da Folha conversou sobre o tema com a Juíza Simone Chalela, titular da 2ª Vara Judicial de Canela, com competência exclusiva de casos da infância e juventude, além de violência doméstica. Ela destacou que houve uma subnotificação destes casos durante a pandemia, mas que os casos seguem aumentando e isso é uma tendência.

RECEBA GRATUITAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS NO SEU WHATSAPP

Em Canela, no ano de 2020, 142 mulheres foram ameaçadas, 119 sofreram lesão corporal, oito foram estupradas, houve um registro de feminicídio consumado e um registro de tentativa de homicídio. Os dados são um alerta de que algo é preciso ser feito para acabar com estas estatísticas ou, pelo menos amenizar estes registros.

Em contraponto, Canela conta com a Casa Vitória, inaugurado em agosto de 2021, com o objetivo de oferecer acolhimento e orientação para mulheres vítimas de violência. Assim, as vítimas sentiram mais segurança em oferecer a denúncia.

Segundo a Juíza, o mesmo aconteceu com a área da infância e juventude, com o aumento da confiança de crianças e adolescentes em realizar as denúncias de violência, citando dois casos em que meninas procuraram policiais do Proerd – Programa de Resistencia às Drogas e à Violência da Brigada Militar, para relatar situações de abuso sexual.

“Eu percebo até mesmo durante as audiências o sentimento de confiança e de justiça, no relato das vítimas, de que vai acontecer alguma coisa, que a situação delas não vai ser menosprezada como era antigamente, como se não fosse crime. Só assim, com o aumento das denúncias e com a punição, este número tende a diminuir”.

Importância da denúncia

“A gente pretende que as vítimas saibam que elas precisam falar e que não é vergonha relatar o que acontece”, disse a Juíza. “A gente deve lutar pela igualdade. Se uma mulher conseguir ter força para sair desta situação é um grande feito”.

Para Simone Chalela, além da denúncia, estas mulheres precisam saber que é possível romper este ciclo de violência e que elas podem seguir suas vidas.

RECEBA AS NOSSAS NOTÍCIAS AGORA TAMBÉM PELO TELEGRAM

A difícil tarefa de oferecer proteção

Na avalição da Juíza, ainda resta um fortalecimento e estruturação da rede de proteção municipal. “Eu penso que se pode fazer muito mais. O Município precisa, urgentemente, criar uma rede forte de auxílio às vítimas, pois, quando mais cedo estes casos chegarem ao Judiciário, mais rápido podemos romper o ciclo de violência”.

Algumas vezes as mulheres acabam voltando para o agressor, abrindo mão da proteção. Nestes casos, somente a conscientização pode mudar este quadro. As mulheres devem pensar nelas e nos seus filhos, buscando um ambiente seguro.

“Temos que quebrar este silêncio, o mundo só muda com educação e se cada um fizer a sua parte, eu tenho certeza que o mundo muda”, finalizou a Juíza.