Canela,

16 de maio de 2024

Anuncie

Chico

360 GRAUS

Francisco Rocha

Há um ano, Canela acordava com a maior operação de combate à corrupção do interior do Estado

Compartilhe:

Ação realizada em 8 de novembro de 2021 terminou com três prisões e levou a uma série de indiciamentos

Onde você estava há um ano? O que estava fazendo?

Eu estava acompanhando o desenrolar do principal fato político de Canela nas últimas décadas: a Operação Cáritas. A cobertura desta operação, em todas as suas fases, talvez seja um dos melhores trabalhos realizados pela Folha de Canela.

Foi em 8 de novembro de 2021 que o que hoje conhecemos como Operação Cáritas se tornou público e chamou a atenção de todos para as denúncias de corrupção em parte do poder público canelense. Cedo da manhã, 175 policiais cumpriram diversos mandados judiciais e realizaram prisões de políticos.

Lembro das pessoas conectadas em nossas redes sociais, buscando informações sobre o que estava acontecendo e se espantando com os nomes dos presos. Em pouco tempo, o Estado já sabia do que estava acontecendo em Canela. Eu mesmo, entrei duas vezes, ao vivo, em rede estadual pela Rádio Band.

A Polícia Civil de Canela havia realizado duas ações pontuais, em abril e julho do mesmo ano, mas foi na operação em 8 de novembro que surgiu o nome Cáritas e teve sequência com mais seis fases, incluindo as duas últimas que colocaram o secretário municipal de Meio Ambiente de Canela em prisão preventiva.

A operação trouxe ao conhecimento do público a suspeita de diversos procedimentos ilegais e gerou o bloqueio de bens e constas bancárias, da ordem de mais de R$ 1 milhão.

Os processos judicias gerados a partir da investigação seguem tramitando na 1ª Vara Judicial de Canela, com dezenas de réus.

Pelo menos mais uma fase da Operação Cáritas deve acontecer, antes de todos os autos serem remetidos à Justiça.

Os resultados foram tão efetivos, que, em um TAC – Termo de Ajustamento de Conduta entre Prefeitura e Ministério Público, a Administração Municipal se comprometeu a reformular a Secretaria de Meio Ambiente e rever as licenças emitidas durante o período investigado pela PC.

Como jornalista que teve o privilégio de acompanhar e relatar as diversas fases da operação, posso afirmar que Canela vai colher por um bom tempo os frutos do combate à corrupção realizado pela Polícia Civil de Canela.

Isto tudo em um ano e, com certeza, ainda vamos falar muito tempo sobre este assunto.