Canela,

25 de maio de 2024

Anuncie

Moradores do Caracol temem ficar sem água com desativação de poços artesianos

Compartilhe:

Corsan garante que obra vai acontecer logo e região terá abastecimento de água, mas depende de autorização da EGR

Nesta semana, moradores do bairro Caracol procuraram a redação da Folha, preocupados com a possibilidade real de ficarem sem abastecimento de água até o final do ano. O caso ocorre porque a localidade não possui rede de abastecimento da Corsan, sendo atendida por dois poços artesianos.

O primeiro poço fica localizado no interior do Parque do Caracol, o qual foi concedido à iniciativa privada. Este poço deve ser desativado a qualquer momento. O segundo poço pertence a um morador local e está secando. Além disso, precisa passar por manutenções e o proprietário decidiu por sua desativação até 31 de dezembro.

Assim, sem suas duas fontes de abastecimento, as famílias, segundo os moradores que entraram em contato com a reportagem, ficarão sem abastecimento de água. Ainda, os moradores relatam que a reivindicação de uma rede de água potável para o Caracol é de cerca de 20 anos, nunca antes tendo sido atendida.

O que diz a Prefeitura

Segundo o secretário Municipal de Meio Ambiente e Planejamento, Alfredo Schaffer, foi realizada uma parceria com a Corsan, a qual está estendendo uma rede de água a partir de Gramado, na estrada da Lajeana.  A rede deve atender parte da localidade, desde o Museu Egípcio até o Parque do Caracol, pois o mesmo, com a concessão e ampliação, necessitará de abastecimento adicional ao poço no interior do Parque.

As casas nas margens deste trecho da rodovia, bem com a Escola Municipal Machado de Assis serão atendidas pela nova rede. Schaffer disse ainda que todas as liberações necessárias já foram realizadas pela Secretaria de Meio Ambiente e Planejamento.

Já o secretário Municipal de Obras, Marcelo Savi, disse à reportagem que todas as obras que dependiam do Município já foram realizadas, inclusive com detonação de rochas para canalização da rede e que a continuidade dos serviços depende da Corsan.

O que diz a Corsan

Segundo Lutero Cassol, gestor da Unidade Especial Hortênsias da Corsan, a obra da nova rede está dentro do cronograma, com empresa licitada para realização do serviço e com materiais já depositados no almoxarifado da Corsan.

A rede foi realizada em todo o trecho onde as estradas são municipais, mas, ao chegar nas margens da RS 466, que é de responsabilidade da EGR, necessita de uma autorização da concessionária para sua continuidade.

Cassol informa que tal solicitação já foi feita à EGR e sua liberação deve acontecer nos próximos dias, permitindo que a Corsan execute o serviço, que é a rede da altura do Museu Egípcio até o Parque do Caracol, bem como sua ligação à rede já executada na Estrada da Lajeana.

Desta forma, com a rede à disposição, os moradores poderão se conectar ao abastecimento da Corsan. A previsão, segundo Lutero, é que a água esteja à disposição antes do final do ano.