Canela,

29 de fevereiro de 2024

Anuncie

Vítima do maníaco do carro liga estupro recente aos casos de 2013 e pede Justiça

Compartilhe:

Carro encontrado em Canela foi utilizado em estupro cometido em Gramado

Polícia Civil não divulga detalhes do caso, mas já tem o suspeito identificado

Nesta semana, a Folha entrevistou uma vítima de tentativa de estupro, acontecida em Canela no ano de 2013. Silvana Spier de Oliveira, com 21 na época e hoje com 30 anos, passou a utilizar as redes sociais após um caso semelhante ao que ela foi vítima acontecer em Gramado, há duas semanas.

Segundo ela, tudo aponta que se trata do mesmo homem que lhe atacou há 10 anos, o “maníaco do carro”.

Ela tem se manifestado pedindo punição ao criminoso, pois, em sua opinião, pelo modo de agir, não há dúvida de que se trata do mesmo homem. “Ficou evidente que ele foi testando e melhorando sua maneira de agir até conseguir consumar o estupro. Isso me revoltou ainda mais. O que mais ele precisa fazer para ficar preso? Matar alguém? Ele é uma ameaça para a sociedade e é por isso que eu movimentei as redes sociais”, disse Silvana.

“Minha intenção também é alertar as mulheres, ele está foragido, ninguém sabe seu paradeiro. Inclusive, ele pode ter feito isso com outras mulheres que não denunciaram por medo. Enquanto as mulheres se calarem, isso vai continuar. Procurem a Polícia, ou me procurem que eu posso ajudar. Eu sei que é difícil e que nós nos expomos, mas é necessário, não tenham medo”, relatou.

Ao ser questionada sobre o que é a justiça que busca, Silvana respondeu que é o criminoso ficar realmente preso, isolado da sociedade. “Sou grata a Polícia, sei de todo o esforço, mas nossas leis não ajudam. Nos próximos dias pretendo fazer um protesto neste sentido e não vou parar enquanto ele não estiver preso. Ele não pode levar uma vida normal, ele é um criminoso perigoso”, finalizou.


Assista a entrevista em vídeo:

Maníaco do carro: crimes aconteceram em 2013 e 2014

O abusador de que Silvana Spier foi vítima cometeu três tentativas de estupro entre 2013 e 2014. Ela conseguiu convencer o criminoso a não cometer o abuso e deixa-la no Hospital, mas restaram os ferimentos físicos e psicológicos.

Em Canela, além de Silvana, outra mulher foi vítima deste mesmo homem, que, em 2014, tentou algo parecido em Gramado, com uma jovem de 17 anos.

O método é sempre o mesmo, atingir a vítima com o veículo, oferecer ajuda, dizer que é necessária a imobilização em razão dos ferimentos, ir para um local isolado e tentar cometer o abuso sexual.

Pelo modo de agir e pelos três crimes em sequência, na época, ele recebeu o apelido de maníaco do carro.

Além dos crimes sexuais, o mesmo homem havia se envolvido em crimes com relação ao tráfico, roubos e furtos. Ele cumpriu pena no presídio de Canela, mas recentemente obteve progressão de pena e estava no regime semiaberto, com uso de tornozeleira eletrônica.

O Maníaco do Carro foi preso em 25 de novembro de 2014, em um esforço das delegacias de Canela e Gramado, por tentativa de homicídio, após ter atropelado uma menina de 17 anos, em Gramado
Foto: Arquivo – Folha de Canela

Polícia não revela se é o mesmo criminoso, mas tem novas provas

A reportagem da Folha conversou com o delegado de Gramado, Gustavo Barcellos, sobre o caso de estupro que vem chamando a atenção da comunidade e repercutindo nas redes sociais.

O crime aconteceu em 12 de fevereiro, um domingo, quando uma mulher de 32 anos foi atropelada no centro de Santa Maria de Herval e levada a uma estrada no Moreira, interior de Gramado, onde foi estuprada.

A Polícia Civil não revela detalhes do caso para não atrapalhar as investigações. O suspeito já foi identificado, mas sua identidade tem sido mantida em sigilo. Nesta semana chegaram os resultados do material genético colhido na perícia, o DNA será confrontado com os dados do sistema penal.

“Posso dizer somente que a investigação está adiantada e é prioridade para a Polícia Civil. Qualquer outra informação revelada pode atrapalhar nas investigações e na busca pelo suspeito”, finalizou Barcellos.

Suspeito usava tornozeleira eletrônica

Apesar de a Polícia Civil não revelar detalhes da investigação, a reportagem da Folha teve conhecimento que o principal suspeito do estupro estava utilizando tornozeleira eletrônica e cumpria pena em regime aberto por crimes anteriores, alguns semelhantes ao cometido neste mês. Acredita-se que ele possa ter rompido o equipamento, o que lhe coloca na condição de foragido do sistema prisional.

Abordagem, ameaça com arma e estupro

O estupro cometido na manhã do último dia 12 iniciou com o atropelamento da vítima, no centro de Santa Maria do Herval. Segundo a Polícia Civil, a mulher relatou que estava de fone de ouvidos e não percebeu o veículo se aproximar, sendo atingida pelas costas.

O criminoso se mostrou preocupado com a vítima, se oferecendo para encaminhá-la a um hospital, convencendo-a a entrar no veículo. No caminho, falou à vítima que os ferimentos poderiam ser graves e ela deveria ser imobilizada para não agravar sua condição física, momento em que amarrou os pés e as mãos da mulher.

A vítima disse querer ir ao hospital de Santa Maria do Herval, porém o homem afirmou que era mais prudente procurar um hospital com mais recursos, como o de Gramado.

O banco do carona, onde a mulher estava imobilizada, foi reclinado, portanto a vítima apenas enxergava o céu e as árvores pela janela do veículo, tendo noção que se deslocava por uma estrada de terra.

Ao chegar na localidade de Moreira, interior de Gramado, alegando estar perdido e precisar pedir informações, o criminoso parou o veículo, desceu e abriu a porta do carona, já de posse de uma pistola, dizendo à vítima que ela deveria fazer tudo o que ele mandasse para não morrer.

Neste momento, o estupro foi consumado, com a vítima ainda com as mãos amarradas. Ela chegou a ser agredida fisicamente.

Ao perceber que a arma não atirava, vítima reagiu

Mesmo sendo violentada, a vítima conseguiu livrar suas mãos e pegar a arma que estava ao lado. Enquanto o criminoso a estuprava, ela tentou disparar, mas a arma não atirou.

Tendo certeza de que o criminoso não conseguiria lhe atirar, ela reagiu, atingindo o órgão sexual do estuprador, fazendo-o recuar, momento em que conseguiu fugir para uma ribanceira, se machucando na fuga. Logo em seguida conseguiu pedir ajuda a populares que acionaram a polícia.

A Polícia não tem certeza sobre a arma de fogo, que poderia ser um simulacro ou não estava municiada, ou, ainda, apenas não estava alimentada para pronto emprego.

Veículo abandonado no Morro Dedão, em Canela

Ainda no domingo (12), por volta das 13h30min, o Corpo de Bombeiros de Canela foi acionado para averiguar uma queda de veículo em uma ribanceira no Morro do Dedão.

Após a averiguação, a ocorrência foi passada para o 3º Batalhão Ambiental da Brigada Militar, a PATRAM, que na terça-feira (14), deu continuidade na operação. Foram realizadas buscas no veículo que já estava sendo ligado ao estupro cometido em Gramado.

O veículo VW/Gol, cor branca, com placas de Parobé, que havia sido roubado no último dia 9.

A perícia no veículo foi conduzida pela Delegacia de Polícia de Canela, a ocorrência de roubo está sendo investigada pela Delegacia de Parobé e a investigação de estupro acontece em Gramado.