Canela,

12 de abril de 2024

Anuncie

2ª fase da Operação Buff investiga crimes licitatórios na Secretaria de Estado de Inovação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Compartilhe:

Operação apura práticas de licitação de atividades destinadas à Secretaria de Estado de Inovação, Ciência e Tecnologia.

Foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão nos municípios de Pelotas, Rio Grande, São Francisco de Paula e Porto Alegre

A Polícia Civil, por meio da 1ª Delegacia de Polícia de Combate à Corrupção (1ª DECOR/DCCOR), do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), realizou a 2ª fase da Operação Buff, nessa segunda-feira (13). O objetivo da ação é apurar a prática de crimes licitatórios, corrupção e associação criminosa em prejuízo do Estado do Rio Grande do Sul, a partir de licitação destinada à contratação de curso online de desenvolvimento de jogos eletrônicos pela Secretaria de Estado de Inovação, Ciência e Tecnologia.

RECEBA GRATUITAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS NO SEU WHATSAPP

Um mandado de busca e apreensão foi cumprido na casa de uma servidora pública estadual, na zona sul de Porto Alegre, que, na época dos fatos, trabalhava na Secretaria envolvida, mas passou a ocupar funções em associação, sendo suspeita das práticas investigadas desde novembro do ano passado.

Foram cumpridos também, sete mandados de busca e apreensão nos municípios de Pelotas, Rio Grande, São Francisco de Paula e Porto Alegre, nas sedes de uma associação, duas empresas e nas residências de empresários suspeitos das práticas delitivas.

Segundo Max Otto Ritter, Delegado de Polícia, “as ações pretendem comprovar o conluio entre os investigados, visto que os orçamentos utilizados para a formação do preço de referência partiram de empresas e de associação que, aparentemente, possuem vínculos estreitos não apenas entre si, mas também com servidores públicos, tal como apontaram as provas coletadas no curso das investigações e que embasaram as novas diligências policiais”.

RECEBA AS NOSSAS NOTÍCIAS AGORA TAMBÉM PELO TELEGRAM

As práticas foram notadas, inicialmente, pela Contadoria e Auditoria-Geral do Estado, Procuradoria do Estado e a Assessoria Jurídica vinculadas à Secretaria de Estado de Inovação, Ciência e Tecnologia, que apontaram a possível tentativa de fraude, visando vantagem decorrente da adjudicação do objeto da licitação, a qual visava ao atendimento de público interessado na profissionalização no setor de jogos eletrônicos.

Crédito: Polícia Civil do Estado do Rio Grande do Sul.