Canela,

21 de junho de 2024

Anuncie

Instituto Cultural Laje de Pedra, o lugar da arte na Serra Gaúcha, lança mostras inéditas com grandes mestres da fotografia 

Compartilhe:

Evento de abertura das exposições que reúnem trabalhos dos ícones contemporâneos brasileiros Cláudio Edinger, Fernando Bueno e João Farkas, dia 27/04, contará com participação de Rubens Fernandes Júnior

O Instituto Cultural Laje de Pedra (ICLP) inaugura oficialmente, dia 27 de abril, o novo percurso de artes visuais do Kempinski Laje de Pedra para 2023.  A data, que marca a abertura da mostra inédita Coleção Instituto Cultural Laje de Pedra e das versões atualizadas de Alma Imortal e Território do Sensível contará também com o lançamento da trilogia da obra fotográfica Babilônia, Miscelânea e Mundaréu, de Fernando Bueno, com sessão de autógrafos às 18h, na Galeria do Laje, em Canela/RS. O jornalista, curador e crítico de fotografia e um dos maiores pesquisadores da área no país, Rubens Fernandes Júnior conversa sobre o projeto pioneiro que reuniu os fotógrafos Claudio Edinger, Fernando Bueno, João Farkas para retratar a paisagem intocada dos Campos de Cima da Serra, resultando em mais de 150 imagens. O bate papo se inicia às 16h.

O encontro na Serra Gaúcha contará, ainda, com a participação de Betina Samaia, expoente da nova geração da fotografia do Brasil, que busca registrar imagens do inconsciente por meio de viagens e outras experiências pessoais, transitando livremente entre passado e presente, realidade e imaginação. As mostras expositivas ficarão abertas à visitação até agosto na Galeria do Laje — Espaço Kempinski Laje de Pedra, Rua das Flores, 222 – Canela / RS – Brasil.

Com um novo olhar de André Severo, as exposições apresentam uma estrutura curatorial que incorpora outras obras do acervo do ICLP, revelando a importância da fotografia dentro do projeto do Kempinski Laje de Pedra. “Alma Imortal agora é uma mostra muito mais abrangente em termos de conteúdo artístico e de memória”, destaca Severo. “Território do Sensível, além de contar com três dos principais fotógrafos do país, volta com uma dezena de fotos que não estavam na primeira versão”, pontua. Já a Coleção Instituto Cultural Laje de Pedra apresenta, pela primeira vez, a reunião de toda a coleção.

RECEBA GRATUITAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS NO SEU WHATSAPP

Alma Imortal combina a história do Hotel Laje de Pedra com a visão de 18 fotógrafos e artistas visuais contemporâneos brasileiros que participaram de um projeto de residência artística promovido pelo ICLP nas dependências do hotel, antes do início de sua revitalização. A mostra, que transcende olhares e espaços, proporciona um passeio temporal e espacial através das múltiplas interações e percepções possíveis sobre o patrimônio ambiental da região. A concepção da exposição é de José Paim de Andrade Jr, coordenação geral de Fernando Bueno e curadoria de André Severo.

Coleção Instituto Cultural Laje de Pedra é uma instalação concebida especialmente como uma deriva imagética pelo olhar dos 17 artistas, Ana Sabiá, Ale Ruaro, Alexandre Chaym, Álvaro Sanguinetti, Alyson Carvalho, André Severo, Betina Samaia, Clóvis Dariano, Eloí Farias,  Fernando Bueno, Karina Búrigo, Leopoldo Plentz, Luciane Bucksdricker, Priscila Beal, Selene Sanmartin, Tadeu Vilani, Tayna Alcantara, e das 112 fotografias que compõem a coleção do Instituto, em parceria com o Canela Instituto de Fotografia e Artes Visuais. A partir de suas residências e expedições, conforme destaca o diretor artístico do ICLP André Venzon, “a mostra busca oferecer ao visitante um passeio poético, histórico e espacial, através das múltiplas interações e percepções possíveis sobre o lugar e o patrimônio ambiental da região para sua valorização e desenvolvimento”. A curadoria é de André Severo.

Território do Sensível é uma exposição produzida a partir de uma parceria entre o Projeto Cultural Laje de Pedra e o Canela Instituto de Fotografia e Artes Visuais. Em 2021, reuniu importantes nomes da fotografia contemporânea em residências e expedições fotográficas. Para a exposição, os fotógrafos Fernando Bueno, João Farkas e Claudio Edinger lançaram-se em uma experiência inédita de imersão nos Campos de Cima da Serra e Vale dos Vinhedos — trazendo para o espaço do ICLP não somente o resultado do encontro dos fotógrafos com esta paisagem magnífica, como também o convite para que o espectador viva uma experiência poética especial com os locais, vistos através das lentes e das visões únicas e inspiradas destes três grandes artistas. A coordenação geral é de Fernando Bueno e a Curadoria de André Severo.

Babilônia, Miscelânea e Mundaréu retratam os 50 anos de fotografia de Fernando Bueno reunindo imagens de sua trajetória pelo fotojornalismo e publicidade, fotos artísticas, colagens, montagens, retratos, selfies, nudes, o Brasil e o mundo, a aldeia e o planeta, a fauna (humana) e a flora, a soja e o sujo passado a limpo, o futuro do pretérito; a melhor das épocas e o pior dos tempos. Com tiragem limitada, a trilogia que comemora o meio século de vida profissional do fotógrafo porto-alegrense é composta de livros com rico acabamento em capa dura e impressão impecável sobre papel especial, que podem ser adquiridos juntos (R$ 500,00) ou separados (R$ 180,00). Babilônia tem curadoria de Andrea Pires, Miscelânea de André Severo e Mundaréu de Rubens Fernandes Júnior.

Os 50 anos de carreira de Fernando Bueno podem ser conferidos também na exposição Nulla Photos, mostra com 17 imagens criadas a partir de filmes de câmera instantânea Polaroid, sem câmera. O resultado deste trabalho, que derivou do projeto Memórias Vencidas, onde o fotógrafo usava filmes com validade expirada, pode ser conferido na galeria 4. A exposição, que integra o percurso de 2023, é uma parceria do Instituto Cultural Laje de Pedra com o Canela Instituto de Fotografia e Artes Visuais.

Raízes — Além das três novas mostras, o ICLP mantém aberta à visitação a exposição Raízes, com obras das designers gaúchas Inês Schertel e Heloisa Crocco, respectivamente, em lã e madeira, dedicadas à passagem do tempo e que acolhem o olhar do visitante. Curadoria de André Venzon.

Sobre os artistas

Claudio Edinger | Nascido no Rio de Janeiro, estudou Economia na Universidade Mackenzie. Expôs suas fotos pela primeira vez em 1975 no Museu de Arte de São Paulo. No ano seguinte se mudou para Nova York, onde desenvolveu vários projetos pessoais e trabalhou como fotógrafo para as revistas Time, Newsweek, Life, Rolling Stone e Vanity Fair. Foi professor de fotografia na Parsons The New School for Social Research e, também, no International Center of Photography. Recebeu o Prêmio Ernst Haas e publicou mais de uma dezena de livros. Em 2000 começou a fotografar com uma câmera de grande formato, iniciando sua pesquisa com o foco seletivo.

Fernando Bueno | Nascido em Porto Alegre/RS, formou-se em publicidade pela PUCRS e cursou Economia na UFRGS. Iniciou sua trajetória no Jornal Zero Hora, atuando também no Jornal do Brasil, Estado de São Paulo e O Globo. Ao longo de sua carreira conquistou importantes prêmios, como o Nikon International Contest (1975/76) e o Fotógrafo do Ano – Destaque em Fotografia no Salão da Propaganda do RS (1980/81). Também participou da publicação de portfólios em revistas nacionais e estrangeiras. Em 2002, deu início ao projeto Canela Workshops e participou de inúmeras exposições coletivas e individuais. Suas fotos integram o acervo do Musée Français de La Photographie, da Coleção Pirelli MASP e do Museu de Fotografia de Bogotá. 

João Farkas | Nascido em São Paulo, graduou-se em filosofia pela Universidade de São Paulo. Viveu em Nova York, onde estudou no International Center of Photography (ICP) e na School Of Visual Arts (SVA). Em sua longa trajetória, já foi fotógrafo correspondente da Veja e IstoÉ, onde foi também editor de fotografia. Ganhou o Prêmio ABERTE e Bolsa Vitae de Artes/Fotografia. Seus trabalhos fazem parte de diversos acervos e museus no Brasil e no exterior como o acervo do ICP e da Maison Européennede la Photographie, em Paris.

Sobre o curador | André Severo nasceu em Porto Alegre. É artista, curador, produtor e gestor cultural. Realizou mais de uma dezena de filmes e instalações audiovisuais e publicou, entre outros, os livros Consciência errante e Deriva de sentidos. Foi curador associado da 30ª Bienal de São Paulo e co-curador da representação brasileira na 55ª Bienal de Veneza. Entre suas principais premiações destacam-se o Prêmio Funarte Conexões Artes Visuais, 2007; o Projeto Arte e Patrimônio; o Programa Rede Nacional Funarte Artes Visuais; o V Prêmio Açorianos de Artes Plásticas; o Prêmio de Artes Plásticas Marcantonio Vilaça; o XV Prêmio Funarte Marc Ferrez de Fotografia e o Prêmio Sérgio Milliet da ABCA.

Sobre o Instituto Cultural Laje de Pedra

O Instituto Cultural Laje de Pedra (ICLP) foi idealizado pelos sócios do Kempinski Laje de Pedra, Marcio Carvalho, José Ernesto Marino Neto e José Paim de Andrade Jr. com o propósito de fomentar e articular novos diálogos em torno da arte e da cultura contemporânea em Canela, e conta com a sua primeira diretoria, empossada em 12 de novembro de 2022, durante o Fórum Nacional de Secretários Estaduais de Cultura, que teve lugar na Serra Gaúcha. Envolta pela atmosfera do Vale do Quilombo, a instituição pretende valorizar e divulgar a paisagem natural e cultural da região na América do Sul de diferentes formas, principalmente, a partir das belezas naturais, da qualidade da gastronomia regional, da música erudita e da arte contemporânea. Com projetos plurais, que vão da Orquestra Filarmônica Laje de Pedra ao complexo expositivo Galeria do Laje — que fomenta o colecionismo e o diálogo no campo das artes visuais — o objetivo é atrair artistas e público que desejam compartilhar a poesia do território e honrar os grandes talentos do sul do Brasil, sempre em relação de intercâmbio com outros centros de excelência cultural e em busca dos mais exigentes espectadores. Pelo local, já passaram trabalhos de artistas como Clóvis Dariano, Leopoldo Plentz, Betina Samaia, Inês Schertel, Heloísa Crocco, entre outros, além dos designers Zanini de Zanine e Aristeu Pires.

RECEBA AS NOSSAS NOTÍCIAS AGORA TAMBÉM PELO TELEGRAM

Sobre o Kempinski Laje de Pedra

Localizado em Canela (RS), será o primeiro hotel da rede de luxo alemã na América do Sul, em parceria com a LDP Canela S/A. Em uma área total de 61 mil m², o hotel terá 337 apartamentos, 4 restaurantes e 5 bares internacionais com amplos terraços e vistas únicas, enoteca, rooftop bar com lareira aberta, teatro e área para eventos. A previsão de abertura aos hóspedes é em 2026.

Serviço

O que: lançamento oficial das mostras expositivas de 2023 do Instituto Cultural Laje de Pedra e sessão de autógrafos de Fernando Bueno

Quando: 27 de abril de 2023

Onde: Galeria do Laje — Rua das Flores, 222 – Canela / RS – Brasil

Horário: 16h —  Conversa com Rubens Fernandes | 18h — sessão de autógrafos de Fernando Bueno