Canela,

19 de maio de 2024

Anuncie

Chico

360 GRAUS

Francisco Rocha

Coluna 360 Graus — Corsan reescreve lei da gravidade no bairro São Luiz, em Canela

Compartilhe:

Semana passada tive pouco tempo para escrever sobre o que aconteceu na sexta (21). Naquela manhã, atendi o chamado de um morador do bairro São Luiz, apavorado com o que a Corsan estava fazendo nas Ruas Theobaldo Weber e Ouridez de Souza.

Cheguei no local e confesso que seria cômico, não fosse trágico. A obra era da nova adutora, que vai levar água tratada a Gramado. A Corsan está atravessando Canela, rasgando ao meio, com essa adutora.

Mas o problema não é a obra, é a maneira como ela vinha sendo feita. Era tanta coisa malfeita e deixada para traz que os moradores chamaram a Folha e ligaram para o secretário de Obras Marcelo Savi. Cheguei lá antes, fiz fotos e descobri que, segundo os técnicos da obra, em Canela, as leis da física foram reescritas.

A Corsan atravessou uma macrodrenagem com sua adutora e a empresa contratada para realizar a obra disse que o projeto era assim mesmo. Em um dos locais, a drenagem pluvial seria desviada por cima do cano da Corsan, seja, aqui em Canela, a água corre para cima, ao contrário da lei da gravidade.  Newton deve ter se revirado no túmulo.

Savi trancou o pé, chamou a fiscalização e a equipe de drenagem. As bocas de lobo foram abertas e a notícia da Folha, que dava conta da obra embargada chegou em diversos gabinetes importantes.

Não demorou, os chefes da Corsan estavam em Canela. No início da tarde vieram ver de perto o que estava acontecendo. Ouvi, com estas orelhas de abano que Deus me deu, segundo a empresa contratada, que as obras são feitas assim em todos os municípios e Canela não era diferente.

Mas foi, o que se descobriu foi canos de esgoto quebrados, bueiros entupidos e locais onde o asfalto deveria ser cortado era quebrado com a concha da retroescavadeira. Além disso, a base para tapar o buraco não era a recomendada.

Muita gente se sentiu desconfortável com a presença de nossa reportagem no local, menos os moradores. A rápida ação do secretário de Obras impediu que um crime fosse cometido contra a comunidade do bairro São Luiz. Com certeza, se as coisas continuassem daquela maneira, novos alagamentos aconteceriam e quem iria sofrer seriam os moradores.

Moral da história, os trechos com problemas tiveram que ser refeitos, antes da obra seguir.

Faço este relato para dizer aos leitores que não tenham medo de denunciar as coisas malfeitas. Canela é dos seus moradores.

A redação da Folha está sempre à disposição para registrar fatos como estes e a Corsan, bem, a Corsan a gente já conhece né? Então, olho vivo nessa obra que ainda vai continuar por alguns quilômetros em Canela.