Início Polícia Canela pode deixar de ter plantão da Polícia Civil em janeiro

Canela pode deixar de ter plantão da Polícia Civil em janeiro

Continua depois da publicidade

Registros de ocorrência após às 18h e em finais de semana será em Gramado

Se o canelense ou o turista precisarem dos serviços da Polícia Civil em Canela, após as 18h de segunda a sexta ou no final de semana, terão que percorrer 10km até a Delegacia de Gramado, para onde será direcionado o plantão policial nas duas cidades. Isso poderá ocorrer no encerramento da Operação Serra, que segue até 15 de janeiro nas cidades da região. Mais que isso, dois policiais de Canela deverão ser cedidos para Gramado para que o plantão funcione naquela cidade. Em São Francisco de Paula, após 15 de janeiro, o plantão policial seguirá sendo realizado em Taquara, como acontecia até semana passada.
O fato narrado acima ainda não está definido, mas é eminente. Segundo o Delegado Vladimir Medeiros, titular da DP de Canela, são necessários quatro policiais para manter o plantão policial, o que representa 40% de seu efetivo. “Hoje, para manter o plantão, tenho deixado de empregar agentes na investigação de crimes e nas prisões, o que efetivamente prejudica o serviço de polícia”.
A falta de efetivo é o principal problema, segundo a delegada regional Elisangela Melo Reghelin, essa é uma realidade estadual e na nossa região existem cidades com mais problemas de efetivo que Canela e Gramado. “Somos o menor efetivo de todas as regiões policias do Estado”.
“Gramado e Canela são exceções, entendemos que, por sua importância e por ser polo turístico, as duas cidades mantém plantões 24h funcionando uma tão perto da outra. Em todo o Estado, os plantões são atendidos pelas DPPA – Delegacias de Pronto Atendimento, centralizando os serviços após às 18h e finais de semana em uma única cidade”.
Para Medeiros, é essencial que Canela continue com este plantão, mas, para isso, necessita receber pelo menos mais dois policiais.
A decisão de qual cidade irá receber os registros de ocorrência do plantão, segundo Medeiros, é da Delegacia Regional, mas tudo indica que seja mesmo Gramado e que o que hoje é tendência se confirme em janeiro. Perguntado se a situação fosse o contrário, e recebesse mais policiais para que o plantão unificado fosse em Canela, o delegado afirmou que esta hipótese nunca foi cogitada.
“Desde que assumi a delegacia regional esse risco existe”, afirma Elisangela, “queremos manter estes serviços para valorizar as duas cidades, mas precisamos administrar os problemas e trabalhar com o que se tem”. Segundo ela, 90% das ocorrências são apresentadas em plantões pela Brigada Militar e pela própria Civil. “A produtividade destes plantões é baixa, além disso, a pessoa tem tempo hábil para procurar a delegacia durante o horário de expediente e registrar o seu BO”.

Furtos e roubos não estão sendo investigados
Sem confirmação oficial, nossa reportagem apurou que furtos e roubos não estão sendo investigados na cidade, apesar de nunca terem ocorrido tantos crimes deste tipo em Canela. Tal fato é reflexo da falta de efetivo, uma vez que os agentes da DP têm trabalhado em crimes de maior gravidade, como tráfico e crimes contra a vida.
A falta de efetivo não tem atingido apenas a Policia Civil. A realidade da Brigada Militar é bem parecida talvez até pior do que a Civil no que diz respeito a efetivo. Dois policiais em uma viatura é o que a BM dispõe para atender toda uma população de mais de 40 mil pessoas, 24 horas por dia, sem contar o incremento de turistas na cidade.

Delegacia foi reformada com auxilio da comunidade
Recentemente, com auxílio da comunidade, a DP de Canela foi totalmente reformada, recebendo novos equipamentos, pintura e consertos. Também a BM recebeu auxílio para consertos de viaturas e benfeitorias no quartel.
Mesmo com a preocupação de entidades e associações, as forças policiais ficam sem receber o básico do Governo do Estado, prejudicando o atendimento à população.

Crise no Estado para Canela, apoio para Gramado?
Notícias de várias cidades do Rio Grande do Sul dão conta da crise no sistema de segurança. Canela não é a única cidade a passar por essa situação. Porém, realidades diferentes em algumas cidades suscitam dúvidas na comunidade.
Em Gramado não falta papel, nem efetivo. Pelo contrário, no último dia 04, um novo cartório de mediação de conflitos foi inaugurado na DP da cidade. O efetivo de policias militares e de viaturas também é praticamente o dobro em Gramado, em relação com Canela.
Diante deste tratamento diferenciado, fica o questionamento de quais critérios são utilizados na distribuição de verbas, efetivo e materiais para cada cidade, já que Canela possui cerca de 7.800 habitantes a mais que Gramado e até 20% mais de ocorrências policiais.
Não há dúvidas que Gramado tem mais poder político e influência junto ao Governo do Estado que seus primos mais pobres da Região, mas nossa reportagem não conseguiu de forma oficial saber qual o critério utilizado pelos comandos para esta distribuição (veja matéria sobre Operação Serra).

São Francisco de Paula
Em questão de efetivo da Brigada Militar, São Francisco de Paula não está muito atrás de Canela. A cidade também tem apenas uma guarnição de serviço em qualquer período do dia, já quanto à Civil, a falta de plantão já chegou na cidade serrana. Ocorrências que acontecem em São Chico após o fechamento da Delegacia de Polícia estão sendo registradas em Taquara.

Acabou o papel
Foi por pouco que não acabaram as últimas folhas de formulário contínuo da Delegacia de Polícia de Canela. Se isso tivesse acontecido, ocorrências deixariam de ser registradas na cidade, pois, para validade do BO, é necessária a assinatura do comunicante. O Posto Policial da Mulher ficou sem papel e ocorrências não estavam sendo registradas no local.
Nesta semana passada, a reportagem da Folha de Canela presenciou um policial civil comprando folhas para a impressora para que as atividades do plantão policial não parassem, enquanto as investigações de furto eram deixadas de lado.
A situação é estadual e diversas delegacias estão lançando mão dos recursos que têm, tais como verbas dos Consepros ou ajuda da comunidade para continuar mantendo este serviço básico.
Segundo a delegada regional, Elisangela Melo Reghelin, todas as cidades do Estado passaram por esta situação, mas uma licitação já ocorreu para a compra dos formulários contínuos e nas próximas semanas já deverão estar chegando às delegacias, inclusive Canela.