Início Meio Ambiente Prefeitura irá fiscalizar a eficácia do tratamento de esgoto na estação do...

Prefeitura irá fiscalizar a eficácia do tratamento de esgoto na estação do bairro Celulose

Foto: Arquivo Folha de Canela - A aparência da água após a saída da barragem da Celulose
Continua depois da publicidade

Corsan é responsável pela operação da Estação de Tratamento, que não apresenta resultados

A Prefeitura de Canela e o Ministério Público firmaram, no dia 24 de outubro, um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), com o objetivo de fiscalizar a eficácia dos serviços de tratamento de esgoto na estação de tratamento de esgoto (ETE) localizada na Rua Fernando Ferrari, 1520, no bairro Celulose.
Dentre os compromissos que o município assumiu, está o dever de acordo com a Lei nº 11.445/07 de regular, controlar e fiscalizar a realização dos serviços de saneamento do município e para isso fará semestralmente coletas e análises dos efluentes lançados na ETE por laboratório credenciado.
A Corsan foi notificada a aperfeiçoar a tecnologia de tratamento de esgoto da referida estação, inclusive com obras de infraestrutura e profissionais técnicos habilitados para sua operação permanente. Tal medida se deve pelo fato da estação não revelar eficiência quanto ao tratamento não cumprindo as condicionantes da Licença de Operação emitida pela Fepam.
Tais medidas visam cessar a poluição causada no Arroio Santa Terezinha, o qual deságua no Arroio Caracol, além de apresentar um cronograma de implantação de obras.

Foto: Arquivo Folha de Canela – A aparência da água que é jogada no arroio pela Estação de tratamento

Situação se arrasta há anos
Em 25 de junho de 2015, a Folha de Canela trouxe uma completa reportagem sobre a qualidade das águas em nossa cidade. Já naquela época, a matéria trazia dados que a água do Arroio Santa Terezinha, o mesmo que forma a barragem da Celulose. Após a ETE da celulose, o nível de coliformes fecais extrapola 500% acima dos níveis considerados aceitáveis. Como já se passaram dois anos e nada foi feito, é de se acreditar que se, a poluição não aumentou, também não diminuiu.