Início 360 Graus 360Graus por Francisco Rocha: Caneleira da Canção, Parque do Palácio e muito...

360Graus por Francisco Rocha: Caneleira da Canção, Parque do Palácio e muito mais

Continua depois da publicidade

Daquela que matou o guarda
Nossa profissão por vezes nos apresenta situações inusitadas. Uma delas aconteceu nessa quarta, em coletiva no quartel da BM, em Canela. Todos reunidos e toca o celular de um colega jornalista…
Ocorre que o toque do rapaz era a música “Recuerdos da 28”, famosa pelo refrão: e num relance se eu não vejo alguém de farda eu grito, me serve um liso daquela que matou o guarda”…
Claro que só meu ouvidos atentos identificaram a canção pelo pouco que tocou o celular do colega, mas imaginei a cena da música chegando ao refrão, dentro do quartel da BM.

Caneleira da Canção I
No lançamento da Semana Farroupilha, na última quarta, lá no Garfo & Bombacha, o secretário Municipal de Turismo, Angelo Sanches, anunciou que para 2019 teremos um grande festival nativista chamado de Caneleira da Canção.
Lembro que há algumas semanas escrevi nesta coluna que ao participar do corpo de jurados do festival de intérpretes da Festa Colonial, disse que era importante a cidade ter um evento deste porte.
Pois bem, a partir daquela conversa, surgiu a ideia da Caneleira da Canção, anunciada quarta e que deve acontecer dentro da Semana Farroupilha 2019.

Caneleira da Canção II
Como festival de música é uma área que sou apaixonado e conheço um pouco, quero deixar aqui registradas duas sugestões à organização.
Primeiro, que reveja a época do evento, por dois motivos. Na Semana Farroupilha, os principais músicos do Estado já estão com suas agendadas preenchidas e por certo haverá dificuldade em trazê-los para o evento, seja para jurados ou mesmo para concorrer.
Como este tipo de público vai ao festival, independente de época, sugiro ainda que seja feito em período de baixa temporada, atraindo pessoas para Canela fora dos eventos tradicionais.
Segundo, a fase municipal do evento deve ocorrer no mesmo palco em que será realizada a fase estadual, para propiciar aos músicos canelenses um ambiente de qualidade e de troca de experiência com quem já está na estrada.
Porém, que o evento tivesse uma fase estudantil, worshops e oficinas.
Caro Angelo Sanches, dei meu pitaco, parabéns pela iniciativa de criar um grande festival em Canela.
Aí que me refiro!

Parque do Palácio
Fez bem o prefeito Constantino em retirar de votação o projeto do Parque do Palácio, para evitar confusão e perder uma oportunidade de fazer algo concreto naquele local.
Vamos aguardar o projeto dos defensores da manutenção do Parque, para podermos nos posicionar sobre o que teria sido melhor.
Minha singela opinião, é de que se não for pela iniciativa privada, as coisas não andam. Logo, não acredito em um projeto com essa grandeza apenas com dinheiro público.
Por outro lado, reitero minha posição de que toda a discussão foi conduzida de forma errada, faltou um pouco de transparência e de informar a comunidade sobre as reais necessidades da implantação do centro de eventos.
Independente se o local vai abrigar o projeto da Prefeitura, o dos amigos do Parque, ou nenhum deles, o que não dá pra aceitar, é ver pessoas usando de agressões, tanto físicas quanto verbais, e cometendo arruaças e vandalismo para defender uma opinião.
Isso é coisa de criminoso e mesmo que muitos não gostem do que eu vou dizer, lugar de bandido é preso ou respondendo por seus atos.
Toda a radicalização é burra, pois defende apenas um ponto de vista, seja ela ambiental ou política.

Eleições I
Pois bem, iniciou ontem, oficialmente, o período eleitoral. Tá tranquilo, por enquanto, pouco peru de fora vindo piar aqui na tribo, mas, e sempre existe um mas em tudo, logo, logo, vão aparecer, embaixo dos braços de seus cabos eleitorais.
Lembre-se de pesquisar quem é o cidadão que vem lhe pedir voto, o que ele fez por Canela, o que ele fez na política.
Na dúvida, é sempre bom lembrar que temos candidatos locais para deputado federal e estadual e para Canela e região seria de suma importância ter um representante na Assembleia Legislativa e no Congresso Federal.
A lógica seria, para o bem da cidade, que conseguíssemos eleger os locais, mas, claro, por diversos motivos, muitos votos daqui irão para candidatos de fora, o que é uma pena.

Eleições II
Tenho escutado muito de algumas pessoas ligadas à política que o povo cansou do funcionalismo público, numa tentativa de diminuir as consequências do atraso e parcelamentos de salário no Estado.
Uma ova que está, o que o povo, na sua maioria, cansou é da classe política, esta sim está desacreditada e realmente é uma pena que não vai ser possível fazer uma revolução através das urnas, não reelegendo ninguém. Aí seria uma constatação e não apenas um recado.
Mas, a quantidade de votos brancos, nulos e de protestos, ao final destas eleições, serão um aviso para estes muitos políticos profissionais que muito ganham e pouco produzem.
Seria até interessante ver eles aqui, na inciativa privada.

Citral
Nunca compreendi o motivo do amor do Daer à Citral. É uma empresa que ganha dinheiro, e não é pouco, para prestar um serviço meia boca.
Passou da hora das prefeituras de Canela e Gramado se juntarem e cobrarem do Governo do Estado uma mudança. Melhor que fosse de empresa, mas se não der, uma qualificadinha no serviço já seria louco de bom.

Projeto de hotel especial foi aprovado
Na última segunda, a Câmara de Vereadores aprovou o projeto que torna a construção do hotel e museu do cacau, Der Kakao, um projeto especial.
Com isso, a cidade poderá receber um novo empreendimento, de altíssimo nível, e a contrapartida, a construção de uma nova escola especial Rodolfo Schlieper.
Essa onda conservacionista que parece estar batendo na cidade tem me deixado preocupado. Quer dizer, se nada acontece, o povo reclama, se acontece, reclama mais ainda.
Gente, não adianta dizer que Canela está seguindo os passos de Gramado, que vai esgotar e blá, blá, blá.
Canela depende da economia de Gramado, do empreendedorismo de Gramado. Vamos parar de bobagem e dizer que tudo em Gramado está errado, se tivesse errado, seriam eles que pagariam os custos sociais e nós que lucraríamos com a mão de obra.
Essa síndrome de vira-lata do canelense só beneficia quem quer fazer gracinha com o chapéu dos outros.
Vamos em frente, crescer, claro, com equilíbrio.
Depois não adianta reclamar que Gramado arrecada mais com ISSQN, com ICMS, com isso e aquilo, se aqui tem sempre um do contra para melhorar a economia da cidade.