Início 360 Graus 360Graus, por Francisco Rocha: HCC emite esclarecimentos sobre reclamações do atendimento da...

360Graus, por Francisco Rocha: HCC emite esclarecimentos sobre reclamações do atendimento da entidade

Continua depois da publicidade

HCC emite esclarecimentos sobre reclamações do atendimento da entidade

O Hospital de Caridade de Canela vem sendo alvo de diversas reclamações da comunidade, algumas, inclusive, publicadas pela Folha de Canela. Ao final da tarde de ontem, a entidade emitiu duas notas, em uma delas, pede o apoio da comunidade para que somente procurem atendimento se o caso for de gravidade maior, pois, devido à falta de médicos emergencistas, o tempo de espera pode ser maior que nas unidades de saúde.
Já na segunda nota eu transcrevo abaixo, mas antes, reforço minha posição, enquanto jornalista e diretor da Folha de Canela, como cidadão e pai de família, que por muitas vezes necessitou dos serviços do HCC, que, nós, canelenses, não podemos nunca deixar de observar eventuais problemas que vierem a acontecer, inclusive alguns publiquei aqui no jornal, mas, sempre, repito, sempre, apoiar nosso Hospital e compreender o momento e, para finalizar, não deixar de elogiar todos os esforços que vem sendo feito pelo Saldanha e sua equipe, juntamente com o apoio da ABASC.
Vamos à nota:

NOTA DE ESCLARECIMENTO
A Diretoria do Hospital de Caridade de Canela, através desta, comunica a seus usuários e a comunidade em geral que, em virtude da substituição da empresa que presta serviços médicos na área de urgência e emergência, se faz necessário restringir a abrangência dos atendimentos mantidos 24 horas. Temos divulgado à comunidade que, dos 180 atendimentos médio diários, 90% caracterizam por atendimentos clínicos que podem também ser atendidos nas UBSs (Unidades Básicas de Saúde), que por cultura local, é de costume da população que o HCC seja sempre a referência na busca por consulta médica. A contingência momentânea, deliberada à luz da legislação, pela direção técnica do Hospital de Canela, é direcionada para este grupo dos 90% que procura consultas, continuando a ser atendidos os casos que realmente são o objetivo de nossos serviços médicos, ou seja, a urgência e a emergência.
Por definição na organização e funcionamento dos serviços de urgência e emergência temos:
• Emergência: Constatação médica de condições de agravo à saúde que impliquem em sofrimento intenso ou risco iminente de morte, exigindo, portanto, tratamento médico imediato;
• Urgência: Ocorrência imprevista de agravo à saúde, com ou sem risco potencial à vida, cujo portador necessita de assistência médica imediata.
Face a isso, a diretoria pede o apoio da comunidade, no sentido de procurar a instituição quando desta necessidade. Tão logo ajustado o novo contrato de substituição, os serviços serão normalizados.
Atenciosamente,

Antônio Saldanha Nunes
Diretor-presidente
Hospital de Caridade de Canela

 

Orgulho, do tamanho do Rio Grande
Fizemos um baita evento na última sexta. Mais de 400 pessoas no Destaque Folha 2018.
Foi um mês de muito trabalho, este agosto, de prazos apertados, mas isso nos dá a certeza de que contamos com o apoio da comunidade, nos enche de orgulho e aumenta nossa responsabilidade de fazer um jornal cada vez melhor.
Muito obrigado a todos pela confiança.

Novos colunistas
Estamos repaginando a Folha de Canela e criando novos conteúdos para você, nosso leitor, que é a razão de ser do jornal. Nesta semana, estreia a Renata Willrich, com uma coluna social bem diferente. Semana que vem já teremos outras novidades.
Seja bem-vinda, Re!

Saúde: realidade da Região
Lendo o blog do Miron Neto, me deparei com uma informação sobre o número de cartões SUS em Gramado. Segundo ele, são 50.471 Cartões Nacional de Saúde na cidade, que possui, segundo o a estimativa 2018 do IBGE, 35.875 habitantes.
Ainda, segundo Miron, nos seis primeiros meses de 2018, 53 partos de canelenses foram realizados no Hospital São Miguel, o que representou 13,2% de todos os partos realizados em Gramado.
Em Canela, segundo a Secretaria Municipal da Saúde, eram 61.349 cartões SUS em abril deste ano, contra 44.489 habitantes, segundo os mesmo dados do IBGE.
Os números quase se equiparam. Não é mesmo?
Quanto aos partos, questionei o secretário da Saúde, Jean Spall, que deu na certeza que nenhum parto SUS de canelense é realizado em Gramado, ao menos que tenha sido uma emergência, onde a gestante estava na cidade, ao ponto de ter o bebê, e teve que ir ao São Miguel, mas, se isso acontecesse, seria um ou dois casos no ano. “Com certeza, Gramado não faz parto SUS de canelenses”, disse Jean.
Se é assim, a realidade se inverte, pois o parto particular, ou de plano de saúde, é pago com valores mais próximos da realidade. Claro que a gestante que paga pelo seu parto pode escolher onde ter seu bebê e algumas escolhem Gramado.
Mas, esse parto, pago com valor diferenciado, fica para Gramado. Canela perde neste sentido, pois é um dinheiro que poderia estar entrando no Hospital de Caridade.
Há de se fazer o registro, que alguns obstetras, por motivos desconhecidos deste colunista, trabalham só em uma ou outra cidade, fazendo com que a gestante escolha o hospital com base no médico de sua confiança.

Migração
Agora, que Canela e Gramado recebem muita migração, é fato. Este ano mesmo, aqui na Folha, publicamos um mapa que mostravam de onde vinham os alunos transferidos para Canela e constatamos que vem de todas as regiões do País.
É só andar pela cidade e vemos uma variedade incrível de sotaques.
Nossa qualidade de vida e economia forte (em relação à outras cidades), acaba atraindo pessoas em busca de uma oportunidade de trabalho.
Mas, no mapa do custo social, não há dúvidas de que a conta de Canela é muito maior que a de Gramado, mas isso é outra história.

Eleições I
Há uma legião de indecisos com relação a essa eleição, eu mesmo, estou nessa fatia dos eleitores que ainda não definiram os cinco nomes em que votar em outubro. O mais difícil deles, na minha opinião, é para Senador!
Mas existe uma realidade que os “especialistas” em política não estão atentos.
Dentre estes indecisos, há uma grande parcela, quase a maioria, que não tem partido, “ideologia” ou político de estimação.
Esse é o eleitor que não considera o impeachment de Dilma um golpe e ao mesmo tempo abomina o governo Michel Temer por ser apenas uma continuidade do governo deposto.
Esse mesmo eleitor, já votou no MDB, PDS, PSDB e PT, desde que Fernando Collor (1990) foi o primeiro presidente civil eleito por voto direto desde 1960 no Brasil.
E lá se vão 28 anos. O que esse eleitor quer, é algo diferente, algo distante da política que se faz neste país.
Quando os militantes da velha política entenderem isso, talvez tenhamos alguém bem diferente sentado na cadeira de presidente, apesar de eu acreditar que a renovação do Congresso Nacional, essa mais urgente, ainda não acontecerá este ano, a contento.
O mais interessante disto tudo é que, ao falar este meu raciocínio a um amigo que não gosta de política, mostrando este perfil do eleitor, ele me disse: esse cara sou eu!

Eleições II
Reforço, aos meus leitores, minha posição que devemos votar em nossos candidatos locais, aqui em Canela, temos um para deputado estadual e outro para deputado federal. Em Gramado, existem opções locais também para as duas esferas.
Independente de partido ou ideologia, nossa região, por tudo o que representa, merece ter representantes na Assembleia Legislativa e no Congresso Nacional.
Além do mais, digo novamente, abaixo esses candidatos que aqui aparecem de quatro em quatro anos com uma emendinha parlamentar embaixo do braço, como se fossem os salvadores da nação.
Esses caras estão fazendo gracejo com o chapéu dos outros, pois essas emendinhas são dinheiro público que já deveriam ter voltado para o povo e acabam nos gabinetes dos deputados, para que eles possam garimpar votos com o nosso dinheiro.
Então, se você quer uma sugestão deste colunista, não vote em candidato a deputado que já se elegeu e se puder, vote nos da sua cidade.

Até semana que vem
Temos, amanhã, o Dia da Pátria. Um ótimo dia para as reflexões acima.
Bom feriado a todos e até semana que vem.