Início 360 Graus 360 Graus por Francisco Rocha: Cada um na sua, mas com alguma...

360 Graus por Francisco Rocha: Cada um na sua, mas com alguma coisa em comum e Parque do Palácio

Continua depois da publicidade

Cada um na sua, mas com alguma coisa em comum
Se você tem 40 anos ou mais, vai lembrar que as propagandas antigas de cigarro na TV eram as melhores. Isso porque naquele tempo fumar era bonito, lógico (tinha outras coisas que eram feias naquele tempo e hoje são bonitas… mas, isso é outra história).
Os cigarros Free tinham o slogan “cada um na sua, mas com alguma coisa em comum”.
E é verdade. O que une as pessoas? Os interesses em comum.
Esse papo de “Eduardo e Mônica”, do clássico da Legião Urbana, que mesmo com tudo diferente, veio mesmo, de repente, uma vontade de se ver, é balela, funciona bem na ficção.
Já vi grandes amizades se desfazerem por conflitos de interesse, já vi relacionamentos acabarem por interesses diversos ou conflitos de gênios, mesmo havendo amor. Por outro lado, conheci relacionamentos dos mais diversos tipos em que as pessoas se odiavam e continuavam a ter convivência por interesses em comum.
Então, não é o amor nem a amizade, o que mantém a convivência entre as pessoas são os interesses em comum.
Ok, Chico. Mas, e daí? Daí que fiz essa longa introdução para entender as últimas movimentações da política canelense, onde uma eleição para presidente da Câmara deixou um certo nível de contrariedade nos vereadores do PDT e de Jerônimo Terra Rolim (PSDB).
Sabe o que vai acontecer daqui para frente? Nada.
Isso porque, apesar de terem se estranhado nas chapas e nas eleições da Câmara, esses vereadores têm interesses em comum com a Prefeitura, o que manterá o relacionamento.
Eles não precisam se amar. Aliás, nunca se amaram. Apenas vão preservar seus interesses.

Parque do Palácio I
Quero dizer que gostei muito do projeto apresentado pelos Amigos do Palácio, mas, preciso deixar claro que a proposta não me parece ser autossustentável. Usar verbas do Caracol não é autossustentabilidade, querer utilizar verbas compensatórias de outros projetos especiais muito menos.
Fosse assim, cada um que desejasse asfaltar sua rua, por exemplo, poderia exigir que a verba de tal lugar fosse colocada nisso.
Entendo, e respeito, a posição dos defensores do parque, mas, ele não é prioridade. Neste momento econômico da cidade e do país, colocar R$ 1,2 milhão naquela área, que atende a um grupo seleto de pessoas, seja verba de onde for, não é viável.
A despoluição do lago do Palace Hotel, por exemplo, seria muito mais prioritária, pois, aquela é de fato uma área de uso frequente da maioria da comunidade e ali, sim, há um grave problema ambiental a ser enfrentado.
Gostos e amores não se discutem, já diz o ditado, mas política e verba pública sim. Não quero que os defensores do parque me levem a mal, mas é preciso ter bom senso. Hoje, vejo desta maneira e boa parte da comunidade também.

Parque do Palácio II
Além disso, em coletiva na manhã de ontem (20), o prefeito Constantino deixou claro que a proposta para o Parque do Palácio não atende a única coisa exigida pelo Governo do Estado, a construção de um centro de eventos e congressos.
Ele disse que é necessário construir uma solução que agrade ambas as partes, mas que é necessário o centro de eventos. Sendo assim, ainda com a nota divulgada pela Prefeitura na última semana, acredito que tal projeto não irá prosperar.

O médico e o louco
Bombou, nas redes sociais, o vídeo do médico que denuncia um provável corpo mole da equipe do Hospital de Canela no atendimento à comunidade.
Eu vi e fiquei quieto, como dizia o poeta, Jayme Caetano Braum, balanceei a situação, me esperavam lá no fundo, sai na porta da frente…
Esperei, li, ouvi, questionei e optei por não dar uma linha de promoção ao tal médico da denúncia. “Ah, Chico, mas tu te omitiu”. Não, muito pelo contrário. Ter posição, saber onde pisa e falar o que pensa, sem dizer bobagem, não é omissão, é responsabilidade.
Vamos aos fatos: o HCC tem problemas, todos sabem, mas é a nossa casa de saúde e precisamos preservá-la e ajudá-la.
Além disso, o Saldanha, a Ana Nunes e o pessoal da Abasc já fizeram muito pelo HCC e por Canela. São pessoas de bem, que dedicam seu tempo e parte de seu dinheiro para ajudar a comunidade. Eles têm muito, mas muito crédito, assim como boa parte da equipe do Hospital.
Em todo saco sempre vai ter uma laranja podre, mas não dá pra generalizar e colocar todo mundo que trabalha no hospital neste saco.
Vou além: deram muito espaço para este médico, encheram a bola dele. Daqui a pouco, vai estar querendo sair candidato como salvador da saúde em Canela.
Se fosse aqui na Folha e um funcionário se permitisse ser gravado, falando mal dos meus clientes, de mim (direção) e de seus colegas de serviço, estava na rua, na hora, por justa causa.
Problemas existem, sempre vão existir, mas tem gente demais querendo aparecer com esta história.

Proerd
Quero deixar aqui os meus parabéns à Brigada Militar e à Secretaria de Educação por reativar o Proerd em Canela. No último sábado, minha filha, Francine, se formou no programa, algo que já havia acontecido com meus filhos Sérgio e Filipe. Além de todo o conteúdo de resistências às drogas, que é de suma importância, o Proerd aproxima a Brigada da comunidade, fazendo com que os alunos, desde pequenos, tenham aproximação com a polícia e enxergue nos policiais pessoas do bem, em quem eles devem e podem confiar. Aí que eu me refiro!

Feliz Natal
Que todos tenham um Natal abençoado, de paz, reflexão e atitudes positivas. Precisamos, mais do que nunca, de relacionamentos verdadeiros e de boas intenções.
Até a semana que vem e um grande abraço a todos os nossos leitores!