Início Polícia “Quadrilha que cometeu roubos e sequestros em Gramado é especializada e perigosa”

“Quadrilha que cometeu roubos e sequestros em Gramado é especializada e perigosa”

Continua depois da publicidade

Polícia Civil esclareceu como está a operação que já tem sete presos, carros e explosivos apreendidos

A Polícia Civil de Gramado convocou entrevista coletiva, na tarde desta segunda (4), para esclarecer pontos da operação que combateu uma quadrilha que cometeu roubos e sequestros na cidade.  Até o momento foram sete prisões, entre oito criminosos identificados.

O delegado regional Heliomar Franco destacou que a ação policial durou mais de 80 horas ininterruptas e que mobilizou cerca de 80 agentes de todas as regiões do Estado. “Tivemos a colaboração do Estado e de agentes que se ofereceram para auxiliar, bem como de empresários locais que nos deram suporte, até mesmo com alimentação”, afirmou.

Segundo ele, o roubo à residência é um dos crimes mais graves, pois o cidadão tem o seu lar violado e a restrição de liberdade. Neste caso, aconteceu ainda a tentativa de homicídio contra policiais.

Quadrilha especializada

O delegado de Gramado, Gustavo Celiberto Barcellos, destacou que a quadrilha que estava em Gramado era de alta periculosidade, especializada em roubos e que não aceitava ser capturada.

“Esta investigação iniciou em 22 de outubro, quando um empresário do ramo moveleiro teve a família rendida, valores de casa roubados e depois o cofre de sua fábrica levado levado pelos criminosos”.

Armamento apreendido em Glorinha

A investigação levou aos suspeitos e com isso a PC descobriu que na sexta (1), a quadrilha cometeria outro crime, desta vez contra um empresário do ramo alimentício. Os agentes chegaram no sítio localizado entre as linhas 28 e Quilombo, ao final da tarde, quando se depararam com o  veículo das vítimas saindo da propriedade, tripulado por três criminosos e quatro vítimas. 

“Como não ficaram satisfeitos com o roubo no sítio, estavam vindo para a cidade em busca de outros valores”, disse o delegado.

Os policiais, preocupados com os reféns, efetuaram disparos nos pneus, obrigando o veículo a parar metros adiante. Antes os criminosos atropelaram dois policiais, um deles já deixou o hospital, o segundo segue internado em Caxias do Sul.

Carro do empresário usado para atropelar policiais

Neste confronto, a polícia resgatou o empresário e três funcionários, mas os bandidos acabaram entrando na mata, dando início ao cerco policial.

Novo confronto e primeiras prisões

No sábado (2), pela manhã, ocorreu novo confronto com os bandidos, em um segundo local, mais afastado do sítio.

Já, em Taquara, foi efetuada a prisão de um integrante da quadrilha e sua esposa, que vinham a Gramado fazer o resgate dos assaltantes.

Barcellos destaca que este mesmo casal  já havia feito resgate no assalto de 22 de outubro. No local, o casal dispensou uma mochila com uma pistola 9mm e objetos reconhecidos pelo empresário do ramo moveleiro.

Cofre recuperado

Neste momento, os criminosos se separaram e duas mulheres tentaram fazer o resgate de um deles em Gramado, sendo presas pela PC. Em seguida, no final da tarde, o criminoso que iria ser resgatado também foi preso. 

Mais de 72 horas de cerco e nova prisão

Na noite de sábado, os policiais identificaram um local onde os assaltantes esperavam ser resgatados e novamente  foram recebidos a tiros. 

Cerco policial

Domingo (3), no final da tarde, os criminosos se separaram. Houve novo confronto com um que ficou escondido na mata. Após cerco ininterrupto de três dias, exausto, o bandido saiu do mato e reagiu, sendo alvejado pela PC e preso em flagrante.

Paralelamente, um segundo assaltante invadiu uma pousada no bairro Planalto, fazendo uma família refém e fugindo em direção ao Caracol, em Canela. Na mesma noite, a Brigada Militar interceptou o veículo e o assaltante, novamente, fugiu para a mata, abandonando o veículo com os reféns, que foram resgatados.

Este é o último assaltante em liberdade. A Brigada Militar mantém cerco nas cercanias da localidade do Caracol, com mais de 130 policiais, contando com o reforço do Batalhão de Choque de Caxias e do Bope de Porto Alegre.

Explosivos, carros e armamento

No curso das investigações, a Polícia Civil descobriu um sítio de propriedade da quadrilha, na cidade de Glorinha. No local foram apreendidos 44kg de explosivos, um veículo clonado e com blindagem, toucas ninja, miguelitos e o cofre do primeiro assalto, além de 10 veículos utilizados pelos criminosos.

“É uma quadrilha fortemente armada, de indivíduos de alta periculosidade, com antecedentes gravíssimos e envolvida em diversos crimes, como assaltos à banco e carros fortes. São assaltantes profissionais, não se importam em enfrentar a polícia”, disse Heliomar Franco.

Composta, na maioria, por integrantes da mesma família, os criminosos mantém uma borracharia na cidade de Sapiranga. O homem preso em Taquara é “trilheiro” e conhece bem as rotas alternativas na região. Outro detalhe é que os bandidos tinham até médico de sobreaviso, caso algum deles precisasse de atendimento.

Mulheres presas ao tentar fazer o resgate

“Nos dois assaltos, possuíam informações detalhadas da rotina das vítimas, nossa investigação segue para identificar todos os envolvidos nos crimes”, afirmou Barcellos. “Utilizamos neste caso as melhores técnicas de investigação e tivemos a valiosa contribuição de nossos agentes”

A quadrilha vai responder por roubos qualificados, tentativa de homicídio contra policiais, porte ilegal de arma, clonagem de veículos, formação de quadrilha armada e posse de explosivos, entre outros crimes

Recuperação do colega e fake news

Heliomar encerrou a coletiva pedindo a colaboração da comunidade para que evite a propagação de notícias falsas e boatos, que não contribuem para a investigação e apenas amedrontam a população.

“Agora, resta torcer pela recuperação do colega policial”, finalizou.

Imagens: Reprodução/PC RS