Início 360 Graus O certo é certo e ponto

O certo é certo e ponto

Continua depois da publicidade

Qualquer palavra que se fale contra a desobrigação de cumprir a lei pelo projeto da Havan, gera uma saraivada de reclamações nas redes sociais.

Gente, o termo para a liberação de cumprimentos de regras pelo projeto da Havan é este, desobrigação, justamente de quem tem a maior condição de cumprir, desde profissionais qualificados até recursos financeiros para isso.

Na minha singela opinião, a vinda da Havan não vai quebrar o comércio local, como alguns gostariam, e também não vai gerar a infinidade de empregos que outros pregam.

Os argumentos, apesar de verdadeiros, não tem este peso todo na balança. Nenhum, escrevo agora em caixa alta: NENHUM turista vai deixar de vir à Canela porque aqui não tem uma Havan.

Sem a Havan, nossa Catedral vai continuar linda, a água vai continuar jorrando no Caracol, nosso Natal seguirá sendo um dos melhores do país…

Mas, a abertura de brechas e concessões, este abrirá uma ferida que poderá ser seguida por cada vez mais e mais empresários.

Não falta emprego em Canela

Temos cerca de 550 empresas ativas no comércio de Canela, que geram em torno de 1800 empregos formais. Um número 12 vezes maior que as pretensos 150 vagas que a Havan pretende abrir.

Isso sem contar os empregos da hotelaria e da gastronomia.

Fale com qualquer empresário canelense e pergunte se ele não teria pelo menos uma vaga para contratação imediata, caso houvesse mão de obra qualificada para preenchê-la. A resposta será sim.

O que falta em Canela não é emprego, o que falta por aqui é mão de obra qualificada.

Se o poder público estivesse, assim, tão empenhado em resolver o problema do emprego na cidade, teria um estudo apontando as áreas com mais necessidade de mão de obra e um programa para qualificação nestas áreas, apoiando assim a comunidade e as empresas aqui instaladas, que há tempos geram emprego, renda e tributos na cidade.

A pauta da Havan é populista e tenho certeza que o projeto de lei será aprovado sem traumas na segunda (16), cheio de concessões, porque os vereadores vão ficar com medinho de perder votos.

Mesmo com tudo isso, continuarei defendendo que o que é certo é certo e ponto. O que vale para um, vale para todos.

Matrícula e portaria

Defender a Havan é fácil, tá na moda… Difícil é combater as áreas invadidas, por exemplo, com relatos de que lá estão com autorização do seu “fulano”, nome com número de matrícula e portaria na Prefeitura de Canela, lotado em cargo com alta remuneração.

Este é apenas um dos problemas que, se enfrentados com coragem e competência, mudariam REALMENTE a realidade de Canela.