Início De Prosa e Verso O TROPEIRO CRISTÓVÃO PEREIRA (Parte I)

O TROPEIRO CRISTÓVÃO PEREIRA (Parte I)

Continua depois da publicidade

Texto extraído do livro Bom Jesus e o tropeirismo no Brasil Meridional
Autor: Moacyr Domingues – Historiador, membro do IHRGS.

Revisando alguns livros antigos que há muito não os lia, encontrei está obra, “Bom Jesus e o tropeirismo no Brasil Meridional”, o livro é o resultado de palestras, apresentações e estudos de pesquisadores que participaram do I e II SENATRO, Seminário Nacional sobre Tropeirismo  nos anos de 1992 e 1994 na querência serrana de Bom Jesus.
Trata-se de  um rico e vasto material a cerca deste tema de fundamental importância para o entendimento da história, do folclore e das tradições do nosso estado.

Entre os participantes, professores, folcloristas, historiadores, políticos e músicos, em destaque o grande acordeonista, compositor, cantor, pesquisador e entusiasta das tradições Honeyde Bertussi, que realizou uma das palestras em um dos encontros (em outra oportunidade farei o relato de sua participação de forma mais relevante e aprofundada).
Hoje transcrevo parte da palestra proferida pelo Historiador Moacyr Domingues realizada no dia 25 de abril de 1992 no 1º Seminário, no qual descreve grande parte da história do Brasil, do tropeirismo e da importância de Cristóvão Pereira.

1494 – Tratado de Tordesilhas – Espanha e Portugal dividem as terras conhecidas e a conhecer entre si a partir das Ilhas de Cabo Verde, 370 léguas a oeste uma linha imaginária foi traçada, como resultado o atual território do Rio Grande do Sul, o qual pertencia a coroa espanhola.
1500 – Chegada dos portugueses com Pedro Álvares Cabral ao Brasil.
1532 – Depois de percorrer o litoral até o rio da Prata, Martim Afonso de Sousa funda São Vicente, no litoral paulista.
1540 – Inácio de Loyola funda, na Espanha, a Companhia de Jesus.
1554 – Os Jesuítas portugueses fundam São Paulo de Piratininga.
1627 – Os Jesuítas de Assunção (Paraguai) começam a se estabelecer no território rio-grandense através do Planalto Médio e baixo Jacuí, buscando contato com os jesuítas portugueses de Laguna.
1634  – O Padre Cristóbal de Mendoza introduziu o gado vacum em grande escala no território gaúcho.
1638 – Depois de terem sido atacados por sucessivas bandeiras paulistas, os jesuítas castelhanos abandonam o território rio-grandense onde deixavam o gado.
1683 – Os portugueses recuperam pela via diplomática a Colônia do Sacramento. Nesse ano e no ano seguinte, desertores portugueses em grande número alcançam Laguna percorrendo a pé todo o litoral desde a Colônia. Nesse mesmo ano, os jesuítas fundam o primeiro dos chamados Sete Povos, em território rio-grandense.
1717 – Os homens de Brito Peixoto, pela primeira vez, conduzem gado em pé capturado na campanha uruguaia até Laguna, sendo a travessia do canal do Rio Grande feita em Canoas por eles fabricadas. Essa travessia deve ter acontecido no fim do verão de 1718.
1719 – Ano que provavelmente chegou à Colônia o futuro tropeiro Cristóvão Pereira de Abreu, que se casara no Rio de Janeiro com Dona Clara de Amorim.

Para esta ronda histórica deixamos a trança por finalizar na próxima volteada. Lembro aos leitores, que nossos músicos regionais estão realizando pelas redes sociais LIVES para a arrecadação de fundos e ações sociais. Assistam, compartilhem e ajudem esta classe que muito nos alegrou em bailes, espetáculos e eventos.

Meu fraterno abraço! Mil Gracias