Canela,

16 de julho de 2024

Anuncie

Promotoria cobra fortalecimento da Rede de Atendimento à Cidadania de Canela e inspeciona Casa Lar

Compartilhe:

Foto: Francisco Rocha

Segundo o MP, há seis anos rede sofre com carência de profissionais para atendimento de famílias vulneráveis

O Ministério Público, através do promotor Max Guazzelli, tem cobrado o fortalecimento da RAC – Rede de Atendimento à Cidadania de Canela, a qual presta atendimento às famílias em situação de vulnerabilidade.

A primeira reunião da rede aconteceu na última sexta (26), contando com os órgão que integram a RAC, tais como Hospital, Judiciário, Ministério Público, Polícia Civil, Defensoria Pública, Brigada Militar e secretarias municipais de Saúde, Educação e Assistência Social.
O objetivo do encontro, que aconteceu na Câmara de Vereadores, foi debater os casos mais graves do Município e propiciar a troca de informações e aproximação dos profissionais, trazendo agilidade no atendimento e duplicidade de trabalho.

RECEBA GRATUITAMENTE NOSSAS NOTÍCIAS NO SEU WHATSAPP

“Existe uma carência histórica de profissionais na rede, o MP tem um procedimento aberto há seis anos, apontando a falta de profissionais no CAPs, CREAS e CRAS. Isso causa um prejuízo no atendimento e a demora traz o agravamento das situações, algumas com reflexos violentos”, diz Guazzelli.

Além de prejudicar as famílias carentes, a falta de atendimento causa prejuízo econômico ao Município e ao Judiciário, pois os casos ficam mais complicados de serem solucionados.
“A ideia é ter profissionais na ponta, trabalhando na prevenção e diminuindo os casos graves na cidade”, finalizou Guazzelli.

Inspeção na Casa Lar, abrigo de crianças e adolescentes de Canela

O Ministério Público realizou uma inspeção no abrigo Casa Lar, que acolhe crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade. A ação foi realizada pelo promotor Max Guazzelli, acompanhado por uma assistente social do MP, especializada em unidades de acolhimento. Em 30 dias, o MP deve apresentar um relatório com as providências de regularização.

“Há uma necessidade de que a unidade instalada no bairro Canelinha seja encerrada para que todos fiquem no mesmo local, na Rua Nossa Senhora Medianeira, bairro Vila Maggi, conforme a Dra. Simone Chalela, juíza da Vara de Infância e Juventude, já havia orientado”, finalizou o promotor.